Casa Região Tribunal de Justiça de MG rejeita recurso e mantém Eduardo Azeredo preso

Tribunal de Justiça de MG rejeita recurso e mantém Eduardo Azeredo preso

por Editor
1 visualizações
tribunal-de-justica-de-mg-rejeita-recurso-e-mantem-eduardo-azeredo-preso


Desembargadora aceitou recurso especial do ex-governador e rejeitou recurso extraordinário. Eduardo Azeredo na quadra do batalhão do Corpo de Bombeiros, em Belo Horizonte.
Pedro Ângelo/G1
O ex-senador e ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) teve seu pedido de cautelar para relaxamento da prisão rejeitado pela 3ª vice-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargadora Mariangela Meyer Pires Faleiro. Azeredo foi condenado a 20 anos e um mês de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, no mensalão tucano, em agosto passado. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (19) e divulgada nesta sexta (20).
A defesa pediu o relaxamento da prisão enquanto aguarda julgamento do recurso em instâncias superiores. Os advogados alegam que o fato de o réu ter sido governador de Minas Gerais impactou na fixação da pena tanto na primeira como na segunda instância, o que não pode acontecer por prejudicar excessivamente o réu, contrariando entendimentos das cortes superiores.
Na mesma decisão, a desembargadora aceitou que a defesa recorra ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas negou recurso no Supremo Tribunal Federal (STF). O advogado Castellar Guimarães Neto, que representa Eduardo Azeredo, disse nesta sexta-feira (20) que vai recorrer ao STJ.
De acordo com o Tribunal, a magistrada considerou que era possível admitir esse recurso especial porque a turma julgadora valorou a condição de agente político que exerce cargo de influência ou gerência em duas fases da aplicação da pena.
A defesa de Azeredo também apresentou ao TJMG um recurso extraordinário, em questionava o fato de os desembargadores terem dado uma condenação maior do que a pedida pelo Ministério Público e requeria a nulidade da sentença e do acórdão.
Segundo o TJMG, a desembargadora rejeitou o pedido da defesa, com fundamento na jurisprudência do STF que estabelece que o julgador não está vinculado ao MP nem é obrigado a alinhar-se ao posicionamento defendido pelo órgão.
As decisões de primeira e segunda instância que condenaram Azeredo consideraram que o crime de peculato foi praticado sete vezes – cinco vezes no caso do Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) (uma em cada empresa do grupo financeiro), uma vez na Copasa e uma vez na Comig. Para o procurador, porém, o crime em relação ao Bemge deveria ter sido considerado uma única vez.
Mensalão tucano
De acordo com a denúncia, o mensalão tucano teria desviado recursos para a campanha eleitoral de Azeredo, que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998.
O esquema envolveria a Companhia Mineradora de Minas Gerais (Comig), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) e teria desviado ao menos R$ 3,5 milhões por meio de supostos patrocínios a três eventos esportivos: o Iron Biker, o Supercross e o Enduro da Independência. Todos os réus negam envolvimento nos crimes.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®