Home Mundo Vilas ucranianas sentem força da guerra enquanto Putin propõe 'zona sanitária' | CNN Brasil

Vilas ucranianas sentem força da guerra enquanto Putin propõe 'zona sanitária' | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
vilas-ucranianas-sentem-forca-da-guerra-enquanto-putin-propoe-'zona-sanitaria'-|-cnn-brasil

“Retirada! De civis da vila de Luhivka.” Sem fôlego, o policial Dmytro Piddubnyi está gravando a cena em seu telefone e fornecendo um comentário. Mas ele também está trabalhando, e a idosa da frente está andando devagar.

“Vovó, vamos lá! Vamos lá, vamos lá, querida, vamos lá!” Há duas explosões à distância, provavelmente uma peça de artilharia disparando.

Luhivka, na região de Sumy, nordeste da Ucrânia, fica a poucos quilômetros da fronteira com a Rússia. Em comum com dezenas de pequenas cidades e aldeias ao longo da fronteira, a área tem visto um aumento significativo de ataques nas últimas duas semanas, trazendo a angústia da guerra e suas escolhas impossíveis de volta para as pessoas que vivem lá.

A velha, uma bengala em sua mão direita, pega o ritmo em alguns passos, depois desacelera novamente. Ela murmura algo inaudível, um apelo talvez ao jovem policial para mostrar alguma compreensão de sua idade. Ela está fazendo o seu melhor.

Piddubnyi balança o telefone para mostrar os danos na ponte que estão atravessando. Foi atingida por um míssil russo, mas uma estreita faixa de concreto permanece intacta, o que permite que eles atravessem o rio e se dirijam aos veículos que os levarão a um lugar mais seguro.

Na direção oposta, do outro lado da fronteira, os militares da Ucrânia intensificaram suas tentativas de “trazer a guerra” para a Rússia, em coordenando com voluntários russos lutando pela Ucrânia enquanto realizam ataques em estilo de comando em aldeias nas regiões de Belgorod e Kursk, bem como aumentar a sua própria artilharia e ataques de drones.

Vladimir Putin, após a vitória esperada em uma eleição presidencial amplamente desacreditada no início deste mês, levantou a perspectiva pela segunda vez sobre a possibilidade de criar uma “zona sanitária” dentro da Ucrânia para proteger as regiões do sudoeste da Rússia.

A CNN falou por telefone com pessoas que vivem no lado ucraniano da fronteira, ou com parentes que vivem lá.

Olha Mykhailivna, de 58 anos, disse que sua aldeia de Ryzhivka foi subitamente atacada por foguetes Grad em 12 de março – e que foi pior do que qualquer coisa que ela tinha visto desde que a guerra chegou à região de Sumy há mais de dois anos.

“O bombardeio não parou o dia todo. Eles estavam atirando de todos os tipos de armas. Nós estávamos escondidos nos porões. Nós saíamos por alguns minutos para alimentar nossos animais e depois voltávamos para dentro. Era interminável”, disse ela.

Após três dias de bombardeio, Olha Mykhailivna e seu marido concordaram em sair. Quando o carro para pegá-los parou, ela disse, houve uma explosão do outro lado da rua. No caos e na pressa, eles pegaram seu cachorro, mas deixaram para trás as malas que haviam cuidadosamente feito.

Ucranianos removem escombros de local destruído por ataque aéreo russo na região de Sumy / Foto: Reuters

Eles também deixaram o gado para trás. Então, eles pediram aos dois homens que os estavam ajudando a sair do local se eles poderiam deixar os animais fora do celeiro ao retornaram à vila e colocar comida para eles. Caso contrário, amarrado, o gado poderia morrer de fome.

“Vivemos em Ryzhivka toda a nossa vida. Tanto meu marido quanto eu nascemos lá. É a nossa casa. Nós mesmos construímos a casa. Queríamos que nossos filhos tivessem um lugar para visitar. E então o urso entrou na casa. É muito difícil e assustador ficar sem casa na minha idade”, disse ela.

O urso, claro, é a Rússia.

Iryna Mishchenko contou à CNN sobre sua avó. Depois de enterrar seu filho de meia-idade no quintal em frente a sua casa, porque não havia nenhuma maneira de remover o corpo depois que ele foi morto em um ataque de artilharia, a idosa de 75 anos eventualmente deixou a aldeia de Popivka a pé, caminhando pelos campos para chegar à estrada principal. Lá, ela pegou emprestado um telefone de um estranho e ligou para a neta.

“Nós a pegamos no ponto de ônibus perto da vila de Yizdetske. Agora a vovó está conosco em Sumy, mas ela não pode realmente falar no momento, ela não está bem depois do que ela passou”, disse Mishchenko.

De acordo com o governador regional de Sumy, Volodymyr Artiukh, até 90% dos edifícios de Popivka foram destruídos e se tornaram os assentamentos mais atingidos ao longo da fronteira. A frequência de ataques desde o início do ano é de duas a três vezes maior do que era em 2023, diz Artiukh, e os tipos de munições usadas são mais destrutivas.

Mais de 100 bombas aéreas guiadas – que geralmente carregam um peso mínimo de 500 kg – estão sendo lançadas a cada semana na região de Sumy, disse o governador à Radio Liberty. Estas munições, mais do que tudo, são responsáveis por grande parte da recente devastação.

“O exército russo está tentando queimar nossas vilas fronteiriças”, disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na semana passada, referindo-se também a um aumento de ataques por grupos de sabotagem e reconhecimento que cruzaram a fronteira enviados pela Rússia.

Na verdade, a Ucrânia também tem feito quando se trata de tornar essas regiões fronteiriças uma zona de combate ativo.

Em coordenação com a Diretoria de Inteligência de Defesa de Kiev, várias legiões voluntárias de russos lutando pela Ucrânia intensificaram seus próprios ataques às vilas fronteiriças da Rússia nas últimas semanas.

Ataque na região russa de Belgorod / 19/3/2024 REUTERS/Stringer

Uma das aldeias, Kozinka, na região russa de Belgorod, fica a poucos quilômetros de Luhivka, com sua ponte destruída, e Popivka, onde a avó de Mishchenko enterrou seu filho.

Os combatentes russos pró-Curdistão postaram vários vídeos em seus canais no Telegram em que mostram ataques de drones contra soldados russos pró-Curdistão em Kozinka. As imagens mostram uma destruição generalizada na aldeia.

O principal funcionário de Moscou na região, o governador Vyacheslav Gladkov, reconheceu que Kozinka e as áreas do entorno estão “muito seriamente danificadas.”

No centro regional de Belgorod, uma cidade russa com uma população de mais de 300 mil habitantes, que fica a apenas 40 km da fronteira, um repórter da Reuters disse que as sirenes dos ataques aéreos se tornaram uma ocorrência quase diária.

A Ucrânia aumentou significativamente os ataques de artilharia e drones contra a cidade, forçando as autoridades a fechar escolas e shopping centers. As retiradas de comunidades deste lado da fronteira também foram anunciadas.

Não é a primeira vez que Kiev aquece a região de Belgorod. Ataques transfronteiriços semelhantes ocorreram em maio passado, nas semanas que antecederam a contra-ofensiva fracassada da Ucrânia, mas não provocaram a escalada de ataques de represália na região de Sumy vista desta vez.

O pretexto para os últimos ataques dentro da Rússia foi retardar os planos de ofensivas de Moscou na Ucrânia, disse um dos líderes voluntários russos pró-curdos na semana passada em uma entrevista coletiva. O objetivo também era tirar o brilho da vitória eleitoral de Putin.

Mesmo que o líder da Rússia possa parecer insensível a pequenos contratempos militares, seus comentários na semana passada após o anúncio de sua vitória nas eleições sugerem uma possível intenção de forçar a submissão das áreas fronteiriças da Ucrânia.

“Eu não descarto isso… que seremos forçados em algum momento, quando considerarmos apropriado, a criar uma certa ‘zona sanitária’ nos territórios de hoje sob o regime de Kiev”, disse ele.

Putin lançou a ideia de uma zona tampão em junho passado, quando discutiu o progresso da guerra com correspondentes militares russos em uma reunião no Kremlin.

Reconhecendo as limitações do fogo de contrabateria na repressão aos ataques, ele disse que a Rússia pode no futuro precisar controlar uma zona de fronteira dentro da Ucrânia que colocaria o território russo fora do alcance da artilharia ucraniana.

Mesmo descontando os territórios ocupados pela Rússia – e Belarus – a fronteira da Ucrânia com a Rússia se estende por muitas centenas de quilômetros.

Oleksiy Melnyk, analista de segurança do Centro Razumkov de Kiev, minimizou a viabilidade de qualquer zona, dizendo à CNN que também precisaria chegar a 70 km dentro da Ucrânia se fosse descartar ataques de artilharia de foguetes.

“Para pessoas que não estão muito bem informadas, parece uma boa ideia”, disse ele.

Na verdade, a ideia de uma possível zona tampão mostrou que Putin não tem propostas sobre como acabar com o conflito, disse Melnyk, além de capturar e desarmar toda a Ucrânia.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

A Tv Betim, em sintonia com a Rádio Betim e o Jornal de Minas, forma uma rede dinâmica que vai muito além dos limites convencionais da comunicação. Nossa proposta é clara: estabelecer diretrizes para Conteúdo e Programação, guiando a inclusão e priorizando parcerias estratégicas. Estamos comprometidos com a produção e coprodução de conteúdos digitais, adaptando-nos continuamente às diversas multiplataformas.

– Não somos apenas um meio de comunicação e informação; somos um novo canal que oferece soluções e produtos múltiplos, conectando e divulgando seus produtos e serviços a nível nacional, através do canal Web e outras plataformas.

Nossa estratégia vai além da simples transmissão. Focamos na ascensão social, proporcionando oportunidades excepcionais de novos negócios, relacionamentos sólidos e lucros substanciais para aqueles que investem no mercado mais cobiçado por grandes marcas. O potencial de consumo é imenso, e estamos aqui para guiar você nesse caminho de possibilidades.

– Na Tv Betim, acreditamos que a comunicação vai além do diálogo; é uma ponte para o crescimento, inovação e sucesso. Junte-se a nós nessa jornada de conexão, onde o seu impacto é a nossa prioridade.

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.