Home Mundo Todas as teorias sobre o misterioso desaparecimento de Amelia Earhart | CNN Brasil

Todas as teorias sobre o misterioso desaparecimento de Amelia Earhart | CNN Brasil

por marianacatacci
0 Comente
todas-as-teorias-sobre-o-misterioso-desaparecimento-de-amelia-earhart-|-cnn-brasil

Amelia Earhart desapareceu no Oceano Pacífico há 87 anos, mas todas estas décadas não diminuíram o apetite dos investigadores que continuam em busca do seu verdadeiro destino.

O  último grupo a juntar-se à busca, uma equipe de arqueólogos subaquáticos e especialistas em robótica marinha da Deep Sea Vision, uma empresa de exploração de águas profundas com sede em Charleston, Carolina do Sul, disse ter encontrado uma pista que poderia encerrar a história de Earhart.

Possíveis evidências do desaparecimento de Earhart foram reveladas em 2017, quando um documentário do History Channel revelou uma nova foto do Arquivo Nacional dos EUA de várias figuras borradas. Os investigadores dizem que a foto mostra Earhart, o aviador Fred Noonan, e seu avião nas Ilhas Marshall depois que ela desapareceu.

Um especial do History Channel afirma que esta foto é a prova de que Amelia Earhart e Fred Noonan estavam nas Ilhas Marshall depois que o avião sumiu .

A teoria explorada no documentário sustenta que Earhart e Noonan caíram perto das Ilhas Marshall, a cerca de 1.600 quilômetros de seu destino, a Ilha Howland, e foram capturados pelos japoneses.

Mas essa teoria é rejeitada por outros investigadores e é apenas uma das muitas ideias que especulam sobre o que poderia ter acontecido a Earhart.

Earhart, a primeira mulher piloto a voar sozinha no Atlântico e uma das pessoas mais famosas do mundo quando desapareceu, tem sido uma fonte contínua de fascínio, tanto na vida como na morte.

“Não culpo as pessoas por quererem saber”, disse Dorothy Cochrane, curadora do Departamento de Aeronáutica do Museu Nacional do Ar e do Espaço do Smithsonian Institution. “Este é um dos maiores mistérios do século 20 porque ela era muito conhecida”, acrescentou.

Estas são algumas das teorias mais proeminentes sobre o que poderia ter acontecido com Earhart, desde um acidente fatal até um novo pseudônimo em Nova Jersey.

Caíram e afundaram

Como parte de sua tentativa de se tornar a primeira mulher a voar ao redor do mundo, Earhart e Noonan decolaram em uma aeronave Lockheed Electra em 2 de julho de 1937, de Lae, Nova Guiné, com a intenção de chegar à Ilha Howland, no Oceano Pacífico.

Os dois estavam em contato por rádio com o Cutter Itasca da Guarda Costeira dos EUA, que estava perto da costa da Ilha Howland. Os aviadores comunicaram pelo rádio que não tinham combustível suficiente e não conseguiram encontrar a pequena ilha.

Eles nunca mais foram vistos.

Com base nesses fatos, a teoria mais básica postula que Earhart e Noonan ficaram sem combustível, caíram no Oceano Pacífico perto de Howland e morreram. Essa é a teoria oficialmente defendida pelo governo dos EUA e também pelo Smithsonian.

“Não é a teoria mais intrigante, não é a que atrai a atenção”, explicou Cochrane.

O governo dos Estados Unidos gastou US$ 4 milhões procurando Earhart e Noonan durante cerca de duas semanas, tornando-a na época a busca mais cara da história.

Earhart foi declarada legalmente morta em 5 de janeiro de 1939, de acordo com o History Channel.

Morreu como um náufrago

O Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves (Tighar) afirma que Earhart sobreviveu a um pouso violento no Pacífico, mas morreu pouco depois.

“Acreditamos que ela morreu náufraga”, disse Richard Gillespie, membro do conselho de Tighar.

De acordo com Gillespie e Tighar, ela teria sobrevivido a um pouso violento na Ilha Gardner, no sudoeste do Pacífico, a cerca de 350 quilômetros da Ilha Howland, mas morreu pouco depois disso.

“Todas as evidências apontam para isso. “Temos uma imagem que os analistas forenses viram – uma foto tirada três meses após o desaparecimento de Earhart – e não podemos dizer com certeza, mas parece ser o seu trem de pouso… que corresponde aos registros de voo”, acrescentou Gillespie. .

Tighar também afirma que o esqueleto de um náufrago encontrado na ilha em 1940, analisado décadas depois, corresponde ao de uma mulher da altura e etnia de Earhart.

Prisioneira dos japoneses

Outra teoria popular é que Earhart e Noonan desembarcaram nas Ilhas Marshall, foram feitos prisioneiros pelos japoneses e morreram no cativeiro em Saipan.

Esta é a teoria apresentada pelo documentário History Channel, que afirma que uma nova fotografia num cais do Atol Jaluit, nas Ilhas Marshall, mostra Earhart e Noonan vivos e perto do navio japonês Koshu.

O documentário cita pesquisadores e especialistas em reconhecimento facial que sustentam que a figura à esquerda da foto tem o mesmo cabelo de Noonan, enquanto a figura sentada e de costas para a câmera tem o mesmo comprimento de cabelo e tamanho corporal de Earhart.

Alguns especialistas acreditam que a figura iluminada à esquerda é Fred Noonan e a pessoa que aparece sentada, longe da câmera, é Amelia Earhart.

De acordo com esta teoria, a busca americana não encontrou Earhart porque os japoneses já a tinham levado sob custódia.

Vários residentes das Ilhas Marshall afirmaram ter visto os aviadores pousando lá. As Ilhas Marshall até emitiram selos comemorativos do 50º aniversário de seu voo, mostrando o avião de Earhart “pousando acidentalmente no Atol Mill” e a “recuperação do Electra pelo Koshu”.

Então, por que os japoneses a levariam cativa? Isso nos leva a outra teoria relacionada.

Earhart era uma espiã

Earhart e Noonan eram espiões ou forçados a realizar uma missão secreta para reunir informações sobre os japoneses nas Ilhas Marshall, de acordo com um conjunto de teorias.

Os apoiadores argumentam que a sua missão secreta, aprovada pelo presidente Franklin Roosevelt, foi mantida em segredo depois de terem sido capturados.

A teoria recebeu atenção devido a um filme fictício de 1943, Flight for Freedom, que é vagamente baseado na história de Earhart.

No filme, a piloto emite um sinal de socorro e pousa seu avião perto das ilhas japonesas para que os aviões de vigilância da Marinha dos EUA possam vê-los.

Earhart sobreviveu!

Uma variante particularmente estranha da teoria da espionagem afirma que Earhart sobreviveu à Segunda Guerra Mundial, regressou aos Estados Unidos e viveu sob o suposto pseudónimo de Irene Bolam até à sua morte em 1982.

Essa é a ideia delineada em livros como Amelia Earhart Lives, de Joe Klaas, e Amelia Earhart Survived, de Rollin C. Reineck.

“Amelia Earhart foi capturada e levada primeiro para Saipan e depois para Tóquio, onde foi mantida prisioneira no Palácio Imperial até 1945”, concluiu o livro de Klaas em 1970, conforme citado pelo New York Times na época.

A teoria sustentava que o segredo de Earhart foi usado como moeda de troca após a guerra para permitir que o imperador japonês permanecesse no poder.

Bolam processou as editoras de livros em US$ 1,5 milhão, sustentando que ela não era Earhart e tinha evidências da década de 1930 para provar isso.

“Total absurdo”, Bolam chamou o livro em entrevista ao Times. “Uma fraude mal documentada.”

O livro foi posteriormente retirado, mas a teoria persistiu.

Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

espanhol

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.