Home Mundo Soldados israelenses lutam para conciliar política e realidades da guerra | CNN Brasil

Soldados israelenses lutam para conciliar política e realidades da guerra | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
soldados-israelenses-lutam-para-conciliar-politica-e-realidades-da-guerra-|-cnn-brasil

Amos Shani Atzmon diz que não culpa os palestinos em Gaza por odiarem Israel neste momento.

“Eles têm bons motivos. Quando você vê cidades em chamas e sendo bombardeadas… Tive um amigo próximo morto em Gaza e estou pensando nas pessoas que tiveram famílias inteiras mortas nos bombardeios”, disse ele.

Um reservista das Forças de Defesa de Israel (FDI), Atzmon, 26 anos, foi convocado poucas horas depois de o Hamas ter lançado o seu brutal ataque terrorista contra Israel, assassinando cerca de 1.200 pessoas e raptando outras 253.

Israel retaliou rapidamente o ataque de 7 de Outubro com uma campanha massiva de bombardeios aéreos, seguida de uma operação terrestre. Mais de 27 mil pessoas foram mortas em Gaza desde então, segundo o Ministério da Saúde controlado pelo Hamas no enclave. Segundo agências da ONU, 400 mil habitantes de Gaza correm o risco de morrer de fome

O Ministério não faz distinção entre combatentes do Hamas e civis, mas afirma que cerca de 70% das vítimas são mulheres e crianças. Israel estima ter matado cerca de 10 mil militantes do Hamas desde 7 de outubro. A CNN não consegue confirmar esses números de forma independente.

A comunidade internacional, incluindo alguns dos aliados mais próximos de Israel, está cada vez mais horrorizada com a escala da violência infligida aos civis em Gaza.

A Corte Internacional de Justiça (CIJ) concluiu que era “plausível” que Israel estivesse cometendo genocídio em Gaza e ordenou que Israel “tomasse todas as medidas” para limitar a morte e a destruição causadas pela sua campanha militar, prevenir e punir o incentivo ao genocídio, e garantir o acesso à ajuda humanitária. A decisão da CIJ não é uma decisão sobre se as ações de Israel constituem genocídio.

Independentemente disso, pouca coisa mudou no campo de batalha.

Atzmon disse que ele é o “cara de esquerda” de sua unidade. Tal como dezenas de milhares de outros, ele passou a maior parte dos meses anteriores ao ataque protestando contra o Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu e os seus planos para reformar o sistema judicial de Israel.

O governo de Netanyahu é o mais direitista da história de Israel, rejeitando a ideia de um Estado palestino e apoiando os colonos judaicos dentro da Cisjordânia.

Atzmon, entretanto, quer que Israel trabalhe no sentido de uma solução de dois Estados. “O povo palestino nunca deixará de nos combater até que tenha a sua própria autonomia. E acho que o objetivo final precisa ser esse”, disse ele.

Reservista das FDI, Amos Shani Atzmon / Ivana Kottasová/CNN

As suas opiniões políticas são por vezes difíceis de conciliar com a realidade de ser um soldado, lutando em nome de um governo que não apoia. Ele diz que tem lutado contra isso desde que começou a formar as suas opiniões políticas, por volta dos 15 anos, antecipando o serviço militar – algo que quase todas as pessoas em Israel devem cumprir.

“Estou arrasado com a morte de pessoas em Gaza, crianças, idosos. Apenas homens jovens (de 26 anos), como eu, não querem morrer. Mas tenho o direito de me defender e de defender a minha família, os meus amigos, os meus entes queridos”, disse ele, rejeitando a noção de que o ataque terrorista do Hamas foi um ato de “resistência” contra o bloqueio israelense. “Não estou dizendo que esta não seja uma situação complexa. Mas tenho 100% de certeza de que estou do lado certo da história e de que estou tentando defender as pessoas.”

“O que aconteceu nos kibutz pareceu a coisa mais desumana que já testemunhei. Então, quando enfrento esse tipo de mal, senti, e ainda sinto, que entrar na guerra é o único caminho. Porque não são pessoas com quem posso falar ou compreender”, acrescentou.

Centenas de pessoas foram assassinadas em Be’eri, Nir Oz, Kfar Azza e outros kibutz perto do perímetro de Gaza.

Atzmon disse que quer Netanyahu, que está sendo julgado por suborno, fraude e quebra de confiança, fora do cargo –  fora o quanto antes. “Ele deveria ter renunciado no dia 7 de outubro. Eu queria acordar no dia 8 e vê-lo na TV dizendo às pessoas: ‘Eu falhei com vocês e sinto muito. Estou deixando o cargo’, mas isso não aconteceu”, disse ele, acrescentando que teria recebido bem qualquer outra pessoa no cargo.

Estudando para se tornar assistente social, Atzmon é apaixonado por suas crenças políticas. No entanto, como soldado, ele lutou ombro a ombro com pessoas cujas opiniões não poderiam estar mais distantes das suas.

O serviço militar é obrigatório para todos os cidadãos judeus e para os cidadãos drusos e circassianos do sexo masculino de Israel. Cidadãos árabes e judeus ultraortodoxos estão isentos do serviço, embora possam optar por aderir.

As rigorosas leis de recrutamento significam que os militares são politicamente tão diversos como a sociedade israelense. Pessoas que de outra forma não se cruzariam são repentinamente unidas e forçadas a superar suas diferenças.

Emmanuel, um reservista de 35 anos que atualmente serve numa unidade de combate na Faixa de Gaza e arredores, é tão apaixonadamente de direita como Atzmon é de esquerda.

Ao contrário de Atzmon, Emmanuel ainda está na ativa e está oficialmente proibido de falar com jornalistas. Por isso, pediu à CNN que não publicasse o seu nome completo.

Ele acredita que Israel precisará controlar Gaza nos próximos anos, concordando com Netanyuahu, que disse querer que Israel tenha “responsabilidade geral pela segurança” na faixa por um “período indefinido” após o fim da guerra.

Emmanuel disse que a Cisjordânia poderia servir de modelo para o futuro de Gaza. O fato de ele se referir à área pelo seu nome bíblico e pelos antigos reinos israelenses – “Judeia e Samaria” – é apenas um pequeno lembrete de que nesta região de divisões e complexidades, as palavras que escolhemos falam muito das nossas convicções.

Usar o nome bíblico da antiga pátria do povo judeu é uma forma de o governo israelense tentar legitimar os colonos judaicos na Cisjordânia ocupada, que são considerados ilegais ao abrigo do direito internacional.

Atzmon, por outro lado, diz Cisjordânia e diz estar “muito seguro” de que está sob ocupação.

“[Os palestinos] deveriam controlar sua própria área como fazem em (algumas partes) da Judeia e Samaria, mas onde Israel tem acesso a todas as aldeias e todas as cidades”, disse Emmanuel à CNN em entrevista por telefone, falando de sua base perto do Faixa de Gaza. “Se quisermos entrar em Ramallah, não há problema. Entramos em Ramallah e neutralizamos a ameaça.”

Alguns dos parceiros da coligação de Netanyahu vão um passo mais longe, propondo a construção de assentamentos judaicas em Gaza.

A questão dos colonos judaicos na Cisjordânia já é uma importante linha de ruptura na sociedade israelense e nas relações diplomáticas do país. A ideia de construir assentamentos em Gaza alarmou os aliados de Israel, e o principal diplomata dos Estados Unidos repreendeu os planos.

O próprio Netanyahu rejeitou até agora a ideia de novos assentamentos em Gaza a chamando de “irrealista”, afirmando em uma declaração em língua inglesa que “Israel não tem intenção de ocupar permanentemente Gaza ou de deslocar a sua população civil”.

Mas Emmanuel apoia essa ideia.

“Devemos estabelecer novos assentamentos. Não porque queiramos exterminar os palestinos. Não. Precisamos de uma vitória clara sobre os nossos inimigos, que todos compreendam. Este é o preço que você paga se mexer conosco”, disse ele.

Estima-se que mais de 1,9 milhão de pessoas em Gaza, ou quase 85% da população, estejam deslocadas internamente, de acordo com as Nações Unidas. Os esforços para forçá-los a abandonar permanentemente as suas casas constituiriam uma violação do direito internacional – e estão entre os argumentos apresentados pela África do Sul no seu caso do CIJ contra Israel.

“E a segunda razão é a segurança. Sabemos da Judeia e Samaria que é mais fácil controlar a segurança na área se houver assentamentos lá”, disse ele.

As divisões e discussões dentro da sociedade israelense sobre o futuro de Gaza e da Cisjordânia tornaram-se ainda mais profundas e acaloradas desde os ataques de 7 de Outubro.

Nem todos se envolvem, no entanto.

Para o soldado combatente Mendel, de 19 anos, as divergências políticas parecem um pouco sem sentido neste momento.

“A política… realmente não importa. Você está no exército e está lá para proteger as pessoas e proteger uns aos outros. E não importa o que você pensa, ou sua aparência ou de onde você é”, disse ele à CNN em entrevista em um centro de retiro em Jerusalém administrado pela Never Alone, uma organização que fornece apoio a “soldados solitários” sem família em Israel.

Americano de Long Island, Mendel decidiu ingressar nas FDI depois de viver em Israel por alguns anos.

Ao contrário de Emmanuel e Atzmon, Mendel não possui experiência militar anterior. Ele foi convocado poucos meses antes do início da guerra e desde então foi destacado para Gaza como parte do Batalhão Netzah Yehuda – uma unidade das FDI especificamente concebida para acomodar militares religiosos. Ele também pediu à CNN que não publicasse seu nome completo devido ao seu serviço ativo.

Ele disse que, ao ser convocado, não achava que se envolveria em uma guerra. Mas as coisas mudaram em 7 de outubro, disse ele.

“Eles ainda mantêm reféns lá. O que voce quer que façamos? Se recuarmos e eles ainda tiverem os nossos reféns? O que você faria se fosse você? O que você gostaria que sua família fizesse se fosse você?

Conversas difíceis

De acordo com as FDI, 224 soldados israelenses foram mortos em Gaza desde o início da operação terrestre no final de outubro.

Entre eles, disse Atzmon, estava o seu melhor amigo, que foi morto numa batalha no sul de Gaza no final de dezembro.

Atzmon disse à CNN que os dois tiveram muitas conversas sobre a guerra e os civis envolvidos nela – algo que ele considera parte de seu dever como soldados.

“É nossa obrigação pensar sobre isso e discutir o assunto, porque a distância entre lutar por nossos entes queridos e matar pessoas por vingança é muito, muito pequena”, disse ele durante uma entrevista em Jerusalém na quarta-feira (31), poucos dias depois de retornar de seu destacamento.

Ele disse acreditar que os soldados individuais e os militares em geral devem conversar continuamente sobre o que é força proporcional.

“Porque se não o fizermos, se entrarmos em Gaza e fizermos o que quisermos por pura vingança, seremos tão maus como o Hamas. E não somos. Não vou deixar que me transformem em um assassino”, disse ele.

Mas muitos fora de Israel argumentam que os limites da proporcionalidade foram ultrapassados. Numa demonstração sem precedentes de dissidência coordenada, mais de 800 responsáveis dos Estados Unidos e da Europa assinaram uma crítica contundente à política ocidental em relação a Israel e Gaza, acusando os seus governos de possível cumplicidade em crimes de guerra.

Emmanuel disse que também simpatiza com civis inocentes. Mas ele disse acreditar que lutar a guerra da forma como é conduzida atualmente é a única opção.

Ele disse que os sucessivos governos israelenses estavam errados ao acreditar que manter Gaza isolada e sob bloqueio iria “administrar” a situação.

“Não acredito que Churchill ou Roosevelt pensassem que poderiam controlar Hitler. Não há como gerenciar seus inimigos. Ou deixamos que destruam o nosso país ou os derrotamos”, disse ele. “E para ser claro, não estamos em guerra com o povo palestino em Gaza. A nossa guerra é com o Hamas. Ninguém quer matar um civil inocente, uma mulher inocente, uma criança inocente – mas se tivermos de travar uma guerra, há vítimas.”

Mendel, de longe o mais jovem do trio, disse que sente fortemente a “horrível” injustiça da morte de pessoas inocentes.

“As guerras não deveriam acontecer, (o Hamas) não deveria ter começado isto e nada disto teria acontecido”, disse ele. “E não acho que começar isso justifique a morte de qualquer civil, mas é uma guerra e a guerra é uma coisa horrível e brutal, mas é isso ou eles teriam massacrado o resto de nós com sorrisos nos rostos.”

Acima de tudo, ele disse que só quer que a guerra acabe. Ele disse que sente falta da família, principalmente da mãe.

“Ela é a melhor de todas”, disse ele. “E ela faz a melhor chalá do mundo”, acrescentou, referindo-se ao tradicional pão trançado judaico servido em ocasiões especiais.

Mendel ainda tem cerca de dois anos de serviço militar. Se a guerra terminará quando ele terminar, ninguém sabe.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.