Home Mundo Sem homens e sem armas, novo chefe do exército da Ucrânia enfrenta desafios | CNN Brasil

Sem homens e sem armas, novo chefe do exército da Ucrânia enfrenta desafios | CNN Brasil

por marianacatacci
0 Comente
sem-homens-e-sem-armas,-novo-chefe-do-exercito-da-ucrania-enfrenta-desafios-|-cnn-brasil

“A fraqueza tática de Putin não significa que ele não possa matar milhares de seus soldados na tentativa de tomar porções significativas de território. Qualquer novo chefe de gabinete tem que respeitar esse risco”, acrescenta.

Unidades da linha de frente em diversas áreas vulneráveis ​​disseram à CNN nas últimas semanas que muitas vezes tinham falta crônica de munição, especialmente projéteis de artilharia ocidentais de 155 mm. Em uma posição de canhão, as tropas foram reabastecidas com cartuchos de fumaça depois de esgotarem suas munições altamente explosivas, disseram.

“É melhor do que não ter projéteis”, disse um soldado.

O chefe da Inteligência Militar Ucraniana, tenente-general Kyrylo Budanov, disse à CNN no final de janeiro que a munição é “um dos fatores mais decisivos” na guerra.

Com o pacote de ajuda militar de 61 bilhões de dólares da administração Biden bloqueado no Congresso, os EUA têm enviado pacotes mais pequenos há vários meses, e a desaceleração já começou a afetar o planejamento e as operações militares ucranianas, segundo autoridades norte-americanas.

Schmidt diz que “a prioridade imediata é enviar projéteis de artilharia suficientes para a frente para impedir que os russos explorem a pausa na ajuda dos EUA. Cada projétil de artilharia disponível para disparar equivale à necessidade de menos infantaria para manter a linha.”

Desobstruir o caminho de ajuda militar dos EUA e aumentar a produção europeia de munições são prioridades críticas se a Ucrânia quiser passar de uma posição de espera para uma reação. A UE reconheceu que ficará muito aquém do seu objetivo de produzir um milhão de munições de artilharia para a Ucrânia no ano até março, estimando que o número será cerca de metade desse valor.

Esta semana, o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, disse: “Se perguntarmos a um soldado no front o que ele mais precisa neste momento, ele dirá granadas. Esta resposta foi a mesma ontem, há um mês, há seis meses e há um ano.”

“O principal objetivo é garantir que a escassez de granadas nunca se transforme numa ausência de granadas”, acrescentou.

Em menor número

A reserva de mão-de-obra da Rússia é pelo menos três vezes maior que a da Ucrânia. Budanov disse à CNN que as forças russas dentro e perto do território ucraniano “consistem apenas em 510.000 militares”.

As unidades mais profissionais da Ucrânia estão exaustas por dois anos de combate ininterrupto, com as suas fileiras reduzidas por baixas. A Ucrânia não publica números, mas as autoridades dos EUA estimam que cerca de 70 mil soldados ucranianos foram mortos e quase o dobro desse número ficaram feridos.

A escala e a velocidade da mobilização adicional na Ucrânia é uma questão política espinhosa e uma das fontes do conflito entre Zelensky e Zaluzhnyi, que disse que os militares precisavam de mais meio milhão de soldados e criticou “lacunas na nossa legislação que permitem aos cidadãos fugir às suas responsabilidades”.

Numa coluna para a CNN na semana passada, Zaluzhnyi disse: “Devemos reconhecer a vantagem significativa desfrutada pelo inimigo na mobilização de recursos humanos e como isso se compara com a incapacidade das instituições estatais na Ucrânia de melhorar os níveis de mão de obra das nossas forças armadas sem o uso de medidas impopulares.”

O Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Ucranianas, Coronel General Oleksandr Syrskyi, fala com seu antecessor Valerie Zaluzhnyi após premiá-lo com a Estrela de Ouro do Herói da Ucrânia.
O Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Ucranianas, Coronel General Oleksandr Syrskyi, fala com seu antecessor Valerie Zaluzhnyi após premiá-lo com a Estrela de Ouro do Herói da Ucrânia. / Serviço de Imprensa Presidencial Ucraniano/Reuters

Um projeto de lei aprovado no parlamento ucraniano reduziria a idade mínima para o recrutamento de 27 para 25 anos (uma disposição que Zelensky não assinou no ano passado) e introduziria punições severas para pessoas que desrespeitassem as regras de mobilização. Os cidadãos em idade militar seriam obrigados a portar consigo os documentos de registro militar.

Uma versão mais ambiciosa do projeto de lei foi retirada no meio de críticas públicas, e resta saber até que ponto a nova medida é eficaz na resolução de deficiências graves. Zelensky está preocupado com a capacidade do governo de pagar um exército permanente maior (o salário da linha da frente é seis vezes o salário médio ucraniano, de 3.000 dólares por mês) e com o risco político.

“A população continua comprometida com a luta, vemos isso nas pesquisas de opinião, mas está exausta”, diz Schmidt.

Sistemas não tripulados

Zaluzhnyi tem argumentado persistentemente que, dada a maior reserva de mão de obra e blindados da Rússia, a Ucrânia precisa de uma mudança radical na sua tecnologia de campo de batalha: drones mais sofisticados e outros sistemas não tripulados forneceriam inteligência em tempo real e informações precisas sobre alvos, por exemplo.

No seu recente ensaio, Zaluzhnyi sugeriu que a aceleração desse investimento, bem como a adoção da tecnologia cibernética, poderia produzir resultados dentro de cinco meses. Tempo é essencial. Os militares russos continuam cometendo erros, mas estão aprendendo e se adaptando, especialmente na exploração de drones de ataque e reconhecimento e na guerra electrônica.

Pilotos de drones ucranianos lançaram seis drones contra o navio de guerra russo, fazendo-o afundar. / Peter Rudden/CNN

Budanov disse à CNN que os russos conduziram “o que vocês chamam de ‘lições aprendidas’ e tiraram as suas próprias conclusões. O número de sistemas não tripulados de todos os tipos, incluindo sistemas terrestres e assim por diante, aumentou significativamente”.

Soldados ucranianos que defendem os céus ao redor da capital, Kiev, disseram à CNN que os russos estavam utilizando novas camuflagens, rotas de voo enganosas e inovações de engenharia para tornar os seus drones e mísseis mais difíceis de derrubar.

Os militares russos também exploraram a tecnologia de planagem para lançar bombas aéreas com maior precisão, uma das razões pelas quais a ofensiva ucraniana no sul fracassou no verão passado.

Simplificando, a Ucrânia precisa aumentar suas tecnologias, como reconheceu Zelensky no seu discurso em que anunciou a mudança de liderança. A sua indústria doméstica de drones, em rápida expansão, será fundamental nesse esforço e já está mostrando resultados.

Os drones de primeira pessoa, ou “FPV”, implantados na área de Avdiivka tiveram um efeito devastador nas tentativas russas de cercar a cidade, infligindo pesadas perdas a tanques e veículos de munições. O tenente-general Serhii Naiev, comandante das Forças Conjuntas da Ucrânia, diz que são um “meio muito mais barato, mas não menos eficaz, de destruir equipamento e pessoal inimigos do que os sistemas de mísseis antitanque e munições de artilharia”.

A introdução dos F-16, prevista no mínimo para esse semestre, deverá minar a vantagem dos russos nos céus, mas o objetivo declarado de Zaluzhnyi de alcançar a superioridade aérea absoluta para permitir à Ucrânia partir para a ofensiva parece uma perspectiva distante. Integrar os novos aviões de combate em uma estratégia de batalha global será uma tarefa crítica para Syrskyi.

Uma área em que os ucranianos têm tido sucesso nos últimos meses é a extensão dos seus ataques contra infraestruturas militares russas, ligações de transportes e refinarias, até lugares tão distantes como São Petersburgo e o extremo oriente russo.

Oleksandr Syrskyi na região de Donetsk / 26/6/2023 Divulgação via REUTERS

O recente ataque de drones ou veículos aéreos não tripulados a uma refinaria em Volgogrado foi a última vitória de uma série de ataques direcionados.

Mais significativo ainda, e apesar de praticamente não ter marinha própria, as operações especiais dirigidas por Budanov e o Serviço de Segurança (SBU) “permitiram à Ucrânia reprimir a frota russa do Mar Negro no porto, ao mesmo tempo que destruiu múltiplas defesas aéreas e locais de munição na Crimeia”, de acordo com o Instituto Naval dos EUA.

A Ucrânia foi pioneira no desenvolvimento de drones marítimos para destruir vários navios de guerra da frota do Mar Negro. Drones aéreos, mísseis e operações de sabotagem pelo menos perturbaram a logística russa.

“Eles precisam interditar as linhas de abastecimento da Rússia na Ucrânia e fazer com que o público russo sinta a guerra na sua vida cotidiana. Se Putin tiver que movimentar recursos para proteger a sua retaguarda, isso significa menos para atacar”, na opinião de Schmidt.

Grandes responsabilidades

Ao longo do ano passado, um sentimento de otimismo entre os aliados e os comandantes da linha da frente da Ucrânia deu lugar a um clima mais sombrio, como reconheceu Zelensky. A avaliação sombria de Zaluzhnyi em dezembro foi que “provavelmente não haverá um avanço profundo e bonito”, um comentário que não o tornou querido pela presidência.

A exaustão interna, as disputas entre aliados (UE x Hungria) e a paralisação no Congresso dos EUA contribuíram para uma perspectiva sombria. Entretanto, o presidente russo, Vladimir Putin, ficou animado com a possibilidade de Donald Trump voltar à Casa Branca.

Ocupar o lugar de Zaluzhnyi não será fácil. Mick Ryan, um general australiano reformado que visitou a Ucrânia e se reuniu com funcionários do alto escalão, o descreve como um “líder militar carismático e popular que antecipou e preparou nas semanas anteriores à invasão russa em grande escala”.

O ex-comandante das Forças Armadas da Ucrânia, tenente-general Valerii Zaluzhnyi / Yuliia Ovsiannikova / Ukrinform / Future Publishing via Getty Images

“Ele é uma figura heróica – é impossível desvalorizar as suas conquistas”, disse um soldado que luta em Zaporizhzhia à CNN.

Syrskyi tem as suas próprias conquistas, especialmente a defesa de Kiev nos primeiros dias e a ofensiva relâmpago que recuperou áreas de Kharkiv em setembro de 2022. Mas o conflito mudou grandemente desde então.

No futuro imediato, a liderança ucraniana deve mostrar unidade depois de uma transição confusa. Myhailo Podolyak, conselheiro do gabinete do presidente, disse que “durante uma guerra, a competição política, especialmente ao nível do exército, dos generais e dos políticos, não parece tão boa”.

Incutir um novo sentido de propósito é tanto mais importante quanto a Ucrânia enfrenta uma janela de vulnerabilidade.

Como diz Matthew Schmidt, Putin “pode atirar corpos ao inimigo, usando a quantidade russa para superar a qualidade ucraniana. É uma abordagem muito estalinista do campo de batalha e está incorporada na cultura estratégica russa”.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.