Home Brasil RJ pode suspender app 99 por desrespeitar obrigação de ar-condicionado em corridas | CNN Brasil

RJ pode suspender app 99 por desrespeitar obrigação de ar-condicionado em corridas | CNN Brasil

por isabellesaleme
0 Comente
rj-pode-suspender-app-99-por-desrespeitar-obrigacao-de-ar-condicionado-em-corridas-|-cnn-brasil

A Secretaria de Estado de Defesa do Consumidor do Rio de Janeiro vai abrir um processo administrativo contra a 99 Tecnologia para apurar o desrespeito à resolução que proíbe a cobrança extra para uso do ar-condicionado em carros de aplicativo no estado.

A decisão veio depois da manifestação enviada pela empresa à pasta na última segunda-feira (22), após o encerramento do prazo de resposta definido pela pasta. Se ficar constatado o não cumprimento das regras, publicadas em 8 de janeiro no Diário Oficial, serão aplicadas as sanções cabíveis, como multa de até R$ 10 milhões e a suspensão do aplicativo. 

Na resposta enviada à Secretaria, a 99 Tecnologia informou que, nos termos do aplicativo, o uso de ar-condicionado e demais acessórios veiculares não é obrigatório, fazendo parte do acordo entre os usuários que participam da relação de transporte. 

“Não obstante tenham como condição a equipagem de ar-condicionado, é imprescindível esclarecer que não há, nos Termos de Uso da aplicação tecnológica, como contrato que baliza a relação entre empresa e usuários, a obrigatoriedade de prestação do serviço de transporte com o fornecimento/acionamento obrigatório de ar-condicionado e demais acessórios veiculares, posto que a corrida solicitada no aplicativo se limita exclusivamente ao transporte de embarque a destino, devendo ser acordado, por mera liberalidade e bom senso, o uso do ar-condicionado pelos usuários passageiros e motoristas diretamente”, afirmou a 99 no documento ao qual a CNN teve acesso. 

A plataforma alega, também, que a resolução pressupõe que o motorista arque com os custos provenientes do acionamento do ar-condicionado sem impacto no custo da corrida para o passageiro, o que a empresa classifica como “irrazoável”, visto que o acionamento gera custos adicionais. 

Além disso, a plataforma alega que “os motoristas são profissionais autônomos e liberais, sem qualquer vínculo empregatício/societário/de subordinação com a empresa”, que se limita apenas a conectar os clientes e os profissionais que oferecem o serviço de transporte.

A 99 lembra que é vedada a cobrança de qualquer taxa por fora do aplicativo, mas que, ao mesmo tempo, não se responsabiliza por pagamentos efetuados extra plataforma.  

A CNN entrou em contato com a 99 Tecnologia e aguarda um posicionamento da empresa.  

Entenda o caso

Depois de denúncias sobre a cobrança de taxa extra nas corridas por aplicativo, o governo do Rio publicou no Diário Oficial uma determinação que proíbe a conduta. Além disso, enquanto não houver a adaptação, veículos sem ar-condicionado não podem aceitar passageiros no estado. As empresas tinham um prazo até a última quinta-feira (18) para manifestação.

A Uber questionou a determinação do governo sobre a necessidade de a empresa suspender a circulação de veículos que não tenham o ar-condicionado funcionando até que o reparo seja feito, sob risco de sofrer sanção. O argumento da empresa é que usuários e motoristas parceiros realizam o cadastro e contratam a plataforma para o serviço de intermediação. 

A Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec) também afirmou, na manifestação enviado ao governo, que o motorista parceiro é responsável pela manutenção do carro e o bom funcionamento do veículo. Além disso, informou que o valor da corrida é o visualizado pelo passageiro na contratação do serviço, logo não estão previstas cobranças adicionais pelo motorista. Sobre o uso do ar-condicionado, a associação disse que as plataformas associadas têm políticas próprias e que são informadas nos respectivos sites. 

Apesar das manifestações, o secretário estadual de Defesa do Consumidor, Gutemberg Fonseca, disse que os motoristas que se recusarem a ligar o ar-condicionado no Rio de Janeiro podem ser levados para a delegacia e responder por crime contra o consumidor. A secretaria de Defesa do Consumidor informou, ainda, que não fará ajustes na resolução solicitados. 

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.