Home Mundo Putin sugere que “é possível chegar a acordo” sobre repórter americano preso | CNN Brasil

Putin sugere que “é possível chegar a acordo” sobre repórter americano preso | CNN Brasil

por marianacatacci
0 Comente
putin-sugere-que-“e-possivel-chegar-a-acordo”-sobre-reporter-americano-preso-|-cnn-brasil

O presidente russo, Vladimir Putin, sugeriu que “é possível chegar a um acordo” com os Estados Unidos para libertar o jornalista americano detido Evan Gershkovich, ao mencionar a condenação de um assassino russo “patriota” na Alemanha.

Os comentários foram feitos durante uma longa e por vezes pesada entrevista com o analista de direita americano Tucker Carlson, a primeira de Putin com uma figura da mídia ocidental desde a sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022.

A entrevista em Moscou gerou polêmica para Carlson antes mesmo de ir ao ar e fez com que o ex-apresentador da Fox News se abstivesse de desafiar o autoritário russo. Durante cerca de duas horas, Putin repetiu longos tratados sobre a história da Rússia, as suas aparentes queixas com o Ocidente, bem como a sua justificativa frequentemente expressa.

Gershkovich, repórter do Wall Street Journal, foi preso em março passado durante uma viagem de reportagem ao país. O Serviço Federal de Segurança, o principal serviço de segurança da Rússia, acusou-o de tentar obter segredos de Estado – uma acusação que Gershkovich, o seu empregador e o governo dos EUA negaram veementemente.

“Fizemos tantos gestos de boa vontade que, parece-me, ficamos sem eles”, disse Putin quando questionado por Carlson se estaria disposto a libertar Gershkovich, de acordo com uma transcrição da agência de notícias estatal russa RIA-Novosti.

“Ninguém jamais respondeu aos nossos gestos de boa vontade com gestos semelhantes. Mas nós, em princípio, estamos prontos para dizer que não excluímos a possibilidade de podermos fazer isso com contramovimento dos nossos parceiros.”

Durante a entrevista de duas horas filmada na capital russa, Moscou, Putin disse que estão em curso negociações entre representantes dos “serviços especiais” russos e norte-americanos e que a questão deve ser resolvida através dos canais apropriados.

“Não temos tabu sobre como resolver esse problema. Estamos prontos para resolver isso, mas há certas condições que estão sendo discutidas através de canais de serviços especiais entre os serviços de inteligência. Acho que é possível chegar a um acordo”, disse ele ao ex-apresentador da Fox News.

Um tribunal russo prorrogou repetidamente a sua prisão preventiva, mas, se for condenado, poderá pegar até 20 anos de prisão.

O Departamento de Estado dos EUA designou oficialmente Gershkovich como detido injustamente pela Rússia.

Em dezembro, a irmã de Gershkovich disse à CNN que a provação para a sua família é “dolorosa” e “fica cada vez mais difícil” enquanto aguardam o progresso da sua libertação.

“Ele perdeu muito. E sentimos muita falta dele, mas temos que nos manter fortes e continuar lutando por Evan”, disse Danielle Gershkovich.

Os esforços da administração Biden para garantir a sua libertação ainda não produziram resultados. A Casa Branca ofereceu-se para negociar um grande número de cidadãos russos detidos sob acusações de espionagem no estrangeiro em troca da libertação de Gershkovich e do colega norte-americano Paul Whelan, disseram à CNN em dezembro duas pessoas familiarizadas com o assunto, mas a oferta não foi aceita.

Quando Putin disse que Gershkovich estava trabalhando com os serviços especiais dos EUA, Carlson pressionou o presidente russo, dizendo: “Este cara obviamente não é um espião, é um miúdo. Ele está sendo mantido como refém.”

Assassinato em um parque de Berlim

Em resposta, Putin indicou o interesse da Rússia na libertação de um cidadão russo que atualmente cumpre pena de prisão perpétua por homicídio na Alemanha.

Putin aludiu ao caso de Vadim Krasikov, um antigo coronel da organização de espionagem doméstica da Rússia condenado pelo assassinato de um antigo combatente checheno em plena luz do dia em Berlim em 2019.

“Ouça, vou lhe dizer: sentado em um país, um país que é aliado dos Estados Unidos, está um homem que, por razões patrióticas, eliminou um bandido em uma das capitais europeias”, disse Putin.

Autoridades do governo russo solicitaram anteriormente que Krasikov fosse libertado como parte de uma proposta de troca de prisioneiros do notório traficante de armas russo Viktor Bout pelos cidadãos norte-americanos Brittney Griner e Paul Whelan, de acordo com autoridades norte-americanas e reportagens da CNN.

Griner, uma jogadora profissional de basquete, foi libertada em uma troca de prisioneiros por Bout enquanto Whelan permanece na prisão.

Paul Whelan, um ex-fuzileiro naval dos EUA que disse estar visitando a Rússia para o casamento de um amigo, foi detido em Moscou em 28 de dezembro de 2018 e encarcerado sob acusações de espionagem que negou consistente e veementemente.

O Wall Street Journal respondeu à sugestão de Putin de que Gershkovich poderia ser libertado, dizendo: “Evan é jornalista e o jornalismo não é um crime. Qualquer representação contrária é ficção total.”

“Evan foi preso injustamente e detido injustamente pela Rússia durante quase um ano por fazer o seu trabalho, e continuamos a exigir a sua libertação imediata”, afirmou o jornal num comunicado.

“Estamos encorajados em ver o desejo da Rússia de um acordo que traga Evan para casa e esperamos que isso leve à sua rápida libertação e ao retorno para sua família e para nossa redação.”

Aulas de história e guerra na Ucrânia

Carlson foi amplamente criticado antes da entrevista ser transmitida por preocupações de que isso daria a Putin uma saída para seus pontos de propaganda. Nos últimos anos, ele ofereceu entrevistas lisonjeiras ao autocrata húngaro Viktor Orbán e ao presidente da Argentina, Javier Milei, dando aos números um palco para promoverem a sua agenda.

Carlson também disse que os jornalistas ocidentais “não se preocuparam” em entrevistar Putin e os acusou de se envolverem em “sessões de incentivo bajuladoras” ao entrevistar o líder ucraniano Volodymyr Zelensky, com quem o ex-apresentador da Fox News afirmou que gostaria sinceramente de conversar, mas uma vez comparou a um rato.

Na verdade, os jornalistas têm solicitado repetidamente entrevistas com Putin, mas o presidente russo recusou-se a conceder acesso. E Putin não só se recusou a participar em entrevistas com a imprensa livre, como também, nos últimos dois anos, travou uma guerra contra os meios de comunicação social, prendendo jornalistas, multando grandes empresas tecnológicas por hospedarem informações “falsas” sobre a invasão da Ucrânia, e promovendo leis de censura que reprimem as organizações de notícias.

A entrevista forneceu pouca conteúdo inovador que pudesse esclarecer o público americano sobre o que Putin pretende fazer em relação à Ucrânia, que foi devastada por quase dois anos de bombardeios russos e ocupação ilegal.

Putin tem contra ele um mandado de prisão emitido pelo Tribunal Penal Internacional devido a um suposto esquema de deportação de crianças ucranianas para a Rússia. E na quinta-feira (8), a Human Rights Watch disse que o presidente russo deveria enfrentar um inquérito de crimes de guerra pelo ataque brutal de Moscou à cidade ucraniana de Mariupol, que matou milhares de pessoas e destruiu inúmeros edifícios.

A primeira pergunta de Carlson sobre a razão da invasão da Rússia desencadeou uma palestra revanchista de 30 minutos sobre a história da Rússia e da Ucrânia, antes de repetir os seus pontos de discussão sobre a expansão da Otan e o que ele chama de “desnazificação” da Ucrânia como justificativa para a sua guerra brutal.

“Putin realmente ferrou Tucker Carlson”, disse Jill Dougherty, colaboradora da CNN e ex-chefe da sucursal da CNN em Moscou.

“Eu esperava o contrário. Eu esperava muita energia de Carlson, e ele nunca fez as perguntas que você teria que fazer, especificamente sobre a guerra. Os bombardeios incessantes, o transporte de crianças ucranianas para a Rússia, as pessoas que estão presas na Rússia neste momento, as pessoas que deixaram a Rússia por causa da guerra. Há muitas perguntas que poderiam ter sido feitas e nunca foram”, disse Dougherty.

O estilo de entrevista de Carlson, por exemplo, contrastou fortemente com o do jornalista austríaco Armin Wolf, que teve uma reunião notoriamente irritada com Putin em 2018, na qual desafiou repetidamente o líder russo.

Sobre as relações com os Estados Unidos, Putin disse que não fala com o presidente Joe Biden desde antes da guerra, em fevereiro de 2022, mas acrescentou que Moscou e Washington têm “certos contatos” que continuam.

“Não me lembro quando falei com ele”, disse Putin. “Mas por que eu deveria me lembrar de tudo? Tenho muitas coisas minhas para fazer. Temos assuntos políticos internos.”

Putin acrescentou que Biden cometeu um “grande erro de proporções históricas” ao apoiar a Ucrânia.

O presidente russo negou que Moscou tenha ambição expansionista, a ocupação contínua do território soberano ucraniano e disse que a Rússia não tem interesse em atacar a Polônia, a Letônia ou outras nações europeias. Ele rejeitou tais alegações como “apenas promoção de ameaças”, de acordo com uma tradução fornecida por Carlson.

Putin também pareceu rejeitar a utilização de armas nucleares táticas, sugerindo que a ideia estava sendo evocada pelos líderes ocidentais para “extorquir dinheiro adicional aos contribuintes dos EUA e da Europa”.

“É contra o bom senso envolver-se em algum tipo de guerra global… e uma guerra global levaria toda a humanidade à destruição.”

No ano passado, Putin implantou armas nucleares táticas na vizinha Belarus, e o ex-presidente russo e vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, Dmitry Medvedev, disse que armas nucleares estratégicas poderiam ser usadas para defender territórios incorporados à Rússia pela Ucrânia.

O presidente russo sugeriu que o caminho para acabar com a guerra na Ucrânia seria através de negociações diretas entre Washington e Moscou.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, já rejeitou sugestões de que era hora de negociar a paz com o Kremlin e disse repetidamente que não desistiria do território ucraniano. “Quando você quer chegar a um acordo ou dialogar com alguém, não pode fazê-lo com um mentiroso”, disse ele à CNN em setembro.

“Há problemas na fronteira, problemas com a migração, problemas com a dívida nacional.” Putin disse. “Você não tem nada melhor para fazer, então deveria lutar na Ucrânia? Não seria melhor chegar a um acordo com a Rússia? Façam um acordo, já compreendendo a situação que se desenvolve hoje, percebendo que a Rússia lutará pelos seus interesses até ao fim.”

Os EUA e os seus aliados têm apoiado a Ucrânia com armamento e apoio econômico desde a invasão em grande escala do país pela Rússia em fevereiro de 2022, mas não enviaram tropas para a Ucrânia, que não é membro da Otan.

A entrevista ocorreu no momento em que os legisladores dos EUA debatem um pacote de financiamento multibilionário para a Ucrânia. Na quinta-feira, o Senado dos EUA votou a favor do avanço do pacote de ajuda externa de 95,3 bilhões de dólares, que fornece assistência à Ucrânia e a Israel, depois de os republicanos terem bloqueado um projeto de lei mais amplo que incluía medidas de segurança nas fronteiras no início desta semana.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.