Home Mundo Piloto ucraniano descreve como drones afundaram navio russo | CNN Brasil

Piloto ucraniano descreve como drones afundaram navio russo | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
piloto-ucraniano-descreve-como-drones-afundaram-navio-russo-|-cnn-brasil

Bastou seis drones marítimos, movidos por jet skis, para derrubar um navio russo com mísseis guiados na semana passada, de acordo com uma rara entrevista com a unidade secreta ucraniana por trás do ataque.

À época, a inteligência de defesa da Ucrânia disse que o pequeno navio de guerra russo, o Ivanovets, sofreu vários golpes no seu casco antes de ser afundado por drones numa enseada na Península da Crimeia ocupada pela Rússia.

Um dos pilotos de drones por trás do ataque disse à CNN que dez drones “MAGURA” foram usados no ataque, seis dos quais atingiram e finalmente afundaram o navio de guerra russo – a mais recente perda embaraçosa para a frota russa do Mar Negro.

Os drones “MAGURA” têm apenas alguns metros de comprimento e são movidos por jet skis, disse o piloto, mas têm um grande alcance de cerca de 800 quilômetros, dando à unidade liberdade para lançar drones por grandes extensões do litoral da Ucrânia para missões contra alvos da Crimeia.

O piloto, identificado com o sinal “13”, é integrante de uma unidade especial da agência de inteligência de defesa da Ucrânia, que tem sido associada a uma série de ataques na Crimeia e na própria Rússia, muitas vezes usando drones para atacar muito além do alcance das armas convencionais do arsenal da Ucrânia.

Imagens noturnas divulgadas pelos ucranianos mostram russos atirando contra os drones enquanto eles corriam em direção ao Ivanovets, antes de ser atingido na lateral por, pelo menos, dois drones, causando explosões massivas.

A filmagem inclui uma cena impressionante do que parece ser a proa do Ivanovets saindo da água enquanto afunda no lago Donuzlav.

A CNN não conseguiu verificar de forma independente a alegação da Ucrânia e qual navio foi atingido e quando aconteceu o ataque. Não houve nenhum comentário oficial da Rússia sobre as reivindicações da Ucrânia.

Pedidos por mais drones

Kiev está recorrendo cada vez mais aos drones para nivelar o campo de jogo com a Rússia, com uma série de ataques de drones atingindo alvos estratégicos na Rússia nas últimas semanas.

A infra-estrutura de petróleo e gás de Moscou ficou ameaçada, com um ataque de drones a um terminal petrolífero russo a cerca de 100 quilômetros a oeste de São Petersburgo.

Os russos “começaram a acordar à noite durante as explosões”, disse o chefe da inteligência de defesa da Ucrânia, Kyrylo Budanov, à CNN no final de janeiro. “Eles veem a imagem real da guerra.”

Os drones “MAGURA” têm apenas alguns metros de comprimento e são movidos por jet skis, disse o piloto, e têm um grande alcance de cerca de 800 quilômetros. / Peter Rudden/CNN

Também no campo de batalha, o principal general da Ucrânia pediu pela utilização mais generalizada de drones, tanto para salvar as vidas das tropas ucranianas como para anular a vantagem material da Rússia em armas e munições.

“São estes sistemas não tripulados – como os drones – juntamente com outros tipos de armas avançadas, que proporcionam a melhor maneira para a Ucrânia evitar ser arrastada para uma guerra posicional, onde não possuímos vantagem”, disse o Comandante das Forças Armadas da Ucrânia, Valerii Zaluzhnyi, em um artigo que escreeu para a CNN na semana passada.

“Resumindo, isto significa nada menos do que uma reformulação generalizada das operações no campo de batalha – e o abandono de pensamentos ultrapassados e estereotipados”, acrescentou.

Desde a tomada da Crimeia pela Rússia em 2014 – e após novas perdas após a invasão da Rússia em 2022 – a Ucrânia já não tem uma marinha em funcionamento no Mar Negro. Mas o naufrágio do Ivanovets é mais uma vitória na campanha da Ucrânia contra a Frota Russa do Mar Negro.

O mais notável dos seus ataques foi o ataque a Moskva em Abril de 2022, que forçou a Rússia a mudar a forma como opera perto de áreas controladas pela Ucrânia.

Trabalho de joalheiro

O impacto dos drones é impressionante, mas é um trabalho delicado, disse o piloto.

“O principal é sentir o drone”, disse ele à CNN. “Se você apertar um pouco, pode perder o controle do drone. Eu diria que é como o trabalho de um joalheiro.”

Controlados à distância por meio de uma conexão Starlink, os drones também podem ser pré-programados para longas viagens pelo Mar Negro.

Um piloto monitora constantemente a passagem do drone, disse ele, e o ataque final aos alvos é muitas vezes controlado manualmente.

A carga útil de 250 kg do drone pode ser aumentada para 300 kg, acrescentou ele, “mas não há necessidade de fazê-lo”. Mesmo contra alguns dos navios mais resistentes da frota russa do Mar Negro, os drones provaram a sua eficácia.

Pilotos de drones ucranianos lançaram seis drones contra o navio de guerra russo, fazendo-o afundar. / Peter Rudden/CNN

Com quase seis metros de comprimento, os drones se impõem fora d’água. Mas, uma vez à tona, tornam-se um alvo difícil para a defesa dos russos.

“Eles são bastante difíceis de ver, principalmente em mar aberto. Este tamanho torna difícil controlá-lo porque o mar é agitado, mas também torna muito mais difícil para o inimigo nos atingir”, disse ele.

O armamento a bordo dos navios de guerra russos não foi projetado tendo em mente os drones, forçando alvos como o IVAN a usar canhões mais adequados para duelos com outros navios, disse o piloto.

O vídeo do ataque mostra tiros atingindo a água enquanto os drones atingem os Ivanovets. A munição é incapaz de deter as bombas que chegam.

Numa demonstração dos drones no Mar Negro, a CNN viu um drone – idêntico aos usados contra os Ivanovets – fazer curvas fechadas em velocidade no piloto automático. É planejado para ser ágil, disse o piloto.

“Nenhum navio de guerra pode ser tão manobrável quanto esses drones”, acrescentou.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.