Home Brasil Pantanal: Equipes dão início a monitoramento para avaliar impacto do fogo | CNN Brasil

Pantanal: Equipes dão início a monitoramento para avaliar impacto do fogo | CNN Brasil

por RIGUE
0 Comente
pantanal:-equipes-dao-inicio-a-monitoramento-para-avaliar-impacto-do-fogo-|-cnn-brasil

Uma equipe do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), organização que atua na conservação do Pantanal, deu início, nesta quarta-feira (7), a um monitoramento na região da Serra do Amolar, no município de Corumbá (MS), para buscar indícios do impacto do fogo na fauna.

Um incêndio florestal ainda atinge a região com focos isolados desde o dia 27 de janeiro, quando um pequeno proprietário rural da região começou o fogo na tentativa de limpar o terreno. Segundo dados do Painel do Fogo, foram destruídos quase 2,7 mil hectares do território de Patrimônio Natural da Humanidade.

O biólogo Wener Hugo Moreno e o médico-veterinário Geovani Tonolli foram até a região para fazer uma análise exploratória e entender como o fogo atua. Para o trabalho serão usadas armadilhas fotográficas, drone, monitoramento em tempo real por meio do sistema Pantera, entre outras técnicas e equipamentos.

“Subimos para a região da Serra do Amolar, pra gente fazer uma análise exploratória […] e entendermos como o fogo está afetando, nesse 2024, a fauna na região, como ela está se comportando, quais são as rotas de fuga podem estar usadas”, explica Wener Hugo Moreno.

A ação do biólogo e do médico-veterinário pretende acompanhar e identificar possíveis espécies que estão procurando locais mais seguros em decorrência dos incêndios que estão ocorrendo.

“A gente está com a equipe de brigadista, a Brigada Alto Pantanal, que fez uma primeira avaliação e identificou a situação da fauna. Nós trouxemos alguns equipamentos que podem auxiliar e complementar esse trabalho de monitoramento, e, se preciso, acionar apoio para fazer resgate”, detalha Geovani Tonolli.

Até o momento, são 800 espécies identificadas para a Rede do Amolar: 42 de abelhas, aproximadamente 82 de aranhas, 62 de borboletas, 120 de formigas, 420 de besouros, 24 de libélulas, 71 de percevejos e 40 espécies de vespas.

Veja as espécies já identificadas na região:

132 espécies de aves;

11 espécies ameaçadas segundo a lista do MMA 2022 e IUCN (mamíferos e aves);

14 espécies da herpetofauna registradas (jacaré, lagartos, sapos, perereca e etc.);

30 espécies de mamíferos identificadas;

Segundo o IHP, as espécies ameaçadas envolvem: onça-pintada, anta, queixada, tamanduá-bandeira, tatu-canastra, mutum-de-penacho, ariranha, gato mourisco.

O Instituto informou que ainda não há prazo definido para obter resultados do monitoramento, mas se espera que haverá indícios sendo identificados nos próximos dias.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.