Casa Mundo Opinião: Nós, alemães, estamos fazendo planos para a “tempestade” Trump | CNN Brasil

Opinião: Nós, alemães, estamos fazendo planos para a “tempestade” Trump | CNN Brasil

por karolineporto
26 visualizações
opiniao:-nos,-alemaes,-estamos-fazendo-planos-para-a-“tempestade”-trump-|-cnn-brasil

São 9h da manhã de domingo, no início da primavera, e estamos esperando as crianças entrarem no campo de futebol. Alguns de nós seguramos xícaras de café.

Todos nós acordamos cedo para levar nossas crianças da quarta e quinta séries a esse distrito no sudeste de Berlim, onde jogarão contra o Köpenicker FC em breve.

A conversa gira em torno da escola e das férias recentes, enquanto pergunto aos meus colegas pais e mães sobre as eleições nos Estados Unidos, explicando que estou trabalhando em um artigo de opinião para a CNN.

Eles acompanham a política dos EUA? E o que eles pensam sobre isso?

“Estou muito preocupado”, diz Jörg, que está no nosso clube desde sempre e cujo filho Miguel, de 18 anos, é o treinador do nosso filho.

Jörg trabalha em turnos para uma companhia ferroviária local e sempre que seu horário permite, ele me diz, assiste aos talk shows políticos noturnos que frequentemente discutem a possibilidade de um segundo mandato de Donald Trump.

“Para mim”, continua ele, “Trump parece o líder de uma seita. Seus apoiadores o seguiriam em tudo o que ele fizesse. Isso é assustador”.

Se Trump for eleito, Jörg está convencido que ele retirará as tropas americanas da Europa e interromperá a ajuda à Ucrânia.

“Também estou com medo”, diz Eda, que ensina política em uma escola secundária de Berlim, e Piero concorda.

Piero é um pesquisador urbano e palestrante italiano que mora em Berlim há muitos anos. Tanto Piero quanto Eda acompanham de perto as notícias dos EUA, assim como Jörg.

Piero diz que muitas coisas sobre essa eleição permanecem incompreensíveis para ele. Ele se assusta com a revanche Biden x Trump.

“Os democratas não conseguiram construir um sucessor quando ainda havia tempo”, diz ele. “Isso eu simplesmente não entendo”.

Seis meses antes da votação, essa conversa no campo de futebol reflete muito bem a visão alemã das eleições nos EUA.

As conversas não giram necessariamente em torno disso naturalmente fora da bolha política de Berlim. Afinal de contas, já temos coisas suficientes com o que nos preocupar: a guerra em Gaza, na Ucrânia, encontrar um encanador em uma economia cada vez mais marcada pela escassez de mão-de-obra e sobreviver após um período de inflação alta.

Mas quando pergunto sobre isso, muitas vezes descubro que a política americana está na mente das pessoas. A eleição é como uma tempestade distante que pode ou não cair sobre nós, e muitas pessoas monitoram esse caminho.

Biden e Trump participam de debate na campanha eleitoral de 2020, em Nashville, Tennessee / 22/10/2020 Morry Gash/Pool via REUTERS

Guerra às portas da Europa

As eleições nos EUA sempre foram intensamente noticiadas na Alemanha, mas dessa vez há uma sensação adicional de tensão.

Desde que a Rússia iniciou a invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022, a dependência de longa data da Alemanha e da Europa em termos de segurança dos Estados Unidos está no centro do debate político.

Os países europeus começaram a acordar. A Alemanha aumentou os seus gastos com defesa, está construindo a sua indústria de defesa e gastou bilhões em ajuda militar e financeira à Ucrânia.

Ainda assim, sem o apoio dos EUA, a situação da Ucrânia – e, portanto, da Europa – seria terrível. Os EUA são ao mesmo tempo a nossa salvação e uma vulnerabilidade. E as pessoas sentem isso.

Em um comício de campanha no início deste ano, Donald Trump lembrou como certa vez disse a um líder europeu que iria “encorajar” a Rússia “a fazer o que quiser” com qualquer país membro da Otan que não pagasse as suas “contas” – ou seja, se não cumprissem as suas promessas de gastos de Defesa junto à Otan.

Apesar do óbvio, o chanceler alemão Olaf Scholz começou recentemente a minimizar publicamente a importância das eleições nos EUA para a Alemanha e a Europa.

Questionado sobre o futuro da Otan se Trump vencer, em uma coletiva de imprensa no final de abril, ele disse estar “bastante confiante” de que a Otan permanecerá estável “nas próximas décadas”.

“Haverá sempre novos presidentes”, disse Scholz casualmente, referindo-se aos Estados Unidos.

Chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, durante visita ao palácio presidencial de La Moneda, em Santiago, no Chile / 29/01/2023 REUTERS/Ivan Alvarado

Foi uma tentativa bastante óbvia de acalmar as preocupações dos cidadãos alemães, como os meus colegas pais e mães do futebol, mas se me perguntarem, é inútil.

Também acho improvável que a compostura exagerada do chanceler reflita o seu verdadeiro pensamento.

Quando falo com funcionários do governo alemão, percebo um estado de espírito bastante diferente. Muitos estão ocupados se preparando para o conhecido – e o desconhecido.

Se preparando para a “tempestade Trump”

É uma noite de segunda-feira, em um escritório de vasto labirinto de corredores uniformes em um grande edifício governamental em Berlim.

Um funcionário do alto escalão do governo, com um ar um tanto cansado, se senta em uma poltrona para discutir como a Alemanha se prepara para o resultado das eleições nos EUA, para ambos os resultados possíveis, como ele destaca várias vezes.

Ele pede para não ser identificado, para discutir assuntos delicados.

Primeiro, diz ele, há esforços para tentar conhecer e construir relações com pessoas próximas de Trump, senadores, deputados e governadores republicanos.

Em setembro do ano passado, a própria ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, fez uma longa viagem, pousando, entre outros lugares, no Texas, onde se encontrou com o governador Greg Abbott.

Muitos outros diplomatas e funcionários alemães também estão visitando os EUA, especialmente o sul e o centro do país, para se conectarem.

Em segundo lugar, diz ele, o governo está tentando consciencializar o mundo empresarial alemão de que as coisas podem ficar difíceis, especialmente no caso de Trump vencer.

Os observadores e diplomatas alemães dos EUA esperam amplamente que Trump imponha novas tarifas sobre produtos europeus importados para os EUA e pensam que ele poderá tentar forçar as empresas europeias a cooperar mais estreitamente com os EUA na contenção da China.

Mas mesmo durante um segundo mandato de Biden, as coisas podem ficar mais difíceis, diz o responsável. Ele também espera que o Congresso permaneça volátil mesmo que Biden vença.

Terceiro, a Alemanha está levantando a questão do que acontecerá se Trump for eleito, em reuniões com os seus aliados europeus próximos, como a Polônia e a França, diz a autoridade.

“Se Donald Trump for reeleito, temos que tentar permanecer unidos na União Europeia, e a Polônia, a França e a Alemanha terão que liderar o caminho”, afirma.

Se a Europa conseguir “se manter unida”, as suas hipóteses de extrair concessões de Trump poderão ser melhores do que muitos analistas pensam atualmente, acrescenta. Afinal, os EUA também dependem do mercado europeu.

É uma visão otimista, baseada no pressuposto de que Trump agirá racionalmente, como negociador, se for eleito. Mas e se essa suposição estiver errada? E se Trump tentar tirar os EUA da Otan ou criar uma “Otan adormecida”, uma Otan que exista apenas no nome?

Mesmo que Biden seja reeleito, ou que Trump prove ser mais racional do que se temia, o retrocesso democrático americano na última década já teve um impacto profundo na forma como a sociedade alemã vê a América – e provavelmente continuará a fazê-lo, independentemente do resultado das eleições.

Bandeiras da União Europeia do lado de fora da Comissão Europeia, em Bruxelas / 14/07/2021 REUTERS/Yves Herman

Sonho americano não existe mais

De volta ao campo de futebol, minha conversa com Eda se volta para esportes. Eda está vestindo uma camisa do Dallas Mavericks. Mais tarde naquele dia, o Mavericks jogará contra o LA Clippers, e Eda é uma grande fã da NBA.

Ela nunca esteve nos EUA, mas diz que prometeu ir se o Mavericks chegar à final, por mais caros que sejam os ingressos.

Como muitos da nossa geração – entre a Geração X e da Millennial – Eda e eu gostamos muito da cultura americana. Apesar de todos os altos e baixos nas relações políticas EUA-Alemanha, concordamos que a América continuou a ser um grande sonho.

Fomos socializados politicamente durante a presidência de George H. Bush; na verdade, a primeira vez que fui a uma manifestação quando era menina foi para protestar contra a primeira guerra do Golfo.

Mas também nos lembramos da euforia quando os EUA elegeram Barack Obama para ser o seu primeiro presidente negro.

Obama era venerado como uma estrela na Alemanha, e muitos dos outros pais no campo de futebol se lembram vividamente quando ele chegou a Berlim em 2008, como o trânsito parou porque 200 mil pessoas se reuniram na Siegessäule, a Coluna da Vitória, para vê-lo.

As relações EUA-Alemanha nunca foram apenas sobre comércio, cooperação militar ou guarda-chuva nuclear. Foi também o poder brando da América, o seu fascínio político-cultural, que levou gerações de alemães a vê-la como um parceiro natural.

Estátua de cera de Trump dentro do lixo no Madame Tussaud de Berlim
Estátua de cera de Trump dentro do lixo, ao lado de estátua de Obama, no Madame Tussaud de Berlim / Foto: Michele Tantussi – 30.out.2020 / Reuters

Extrema direita da Europa está observando os EUA de perto

Na última década, no entanto, esse sentimento mudou. Para muitos alemães da geração mais jovem, os EUA se tornaram uma espécie de força obscura que alimenta movimentos antidemocráticos, em vez da luz que emana do farol da liberdade.

Em uma sexta-feira à tarde, Schahina Gambir me liga. Ela é representante do Partido Verde no Bundestag. Gambir nasceu em Cabul em 1991 e cresceu em uma zona rural no norte da Alemanha.

Ela é membro da Comissão de Relações Exteriores, mas também trabalha com questões de direitos humanos.

As eleições nos EUA, diz ela, terão obviamente um impacto na segurança da Europa. Mas também serão sentidas na sociedade alemã.

“Os debates nos EUA ressoam aqui e podem deslocar a Europa ainda mais para a direita”, diz ela.

“As redes de direita na Europa têm ligações com redes de direita nos EUA. As teorias da conspiração dos EUA se espalharam por aqui e alimentaram, por exemplo, a cena antivacinas aqui na Alemanha”.

Como jovem, diz ela, também está preocupada com o fato do debate nos EUA sobre o direito ao aborto poder influenciar a Europa.

“Os Estados Unidos foram um dos primeiros países a legalizar o aborto em 1973, foram um modelo para outros. Agora, eles estão retrocedendo”, diz ela sobre a anulação do caso Roe vs. Wade pela Suprema Corte americana.

“Me preocupa que os direitos que consideramos estabelecidos, possam ser questionados, também aqui, como são nos Estados Unidos”, diz Gambir. Não apenas o direito ao aborto, acrescenta ela, mas também os direitos das comunidades queer e das pessoas de negras.

Manifestantes pró-aborto em Ohio, nos EUA
Manifestantes pró-aborto em Ohio, nos EUA / Arquivo – Reprodução/Facebook/ProChoiceOH

Aos 32 anos, Gambir se lembra dos anos Obama. Ela viajou para os EUA, sua irmã mora em Nova York e adora. Muitos dos adolescentes e estudantes universitários alemães de hoje, no entanto, só conhecem os EUA como o país de Trump, uma outrora grande democracia em uma ladeira escorregadia.

Outra presidência de Trump não só colocaria em risco a segurança da Alemanha, mas também manifestaria essa visão dos EUA por mais quatro anos.

Naquele dia, no campo de futebol, nossos filhos venceram facilmente o jogo. Eda e seu filho vão embora bastante satisfeitos.

Mais tarde, ela me manda uma mensagem: O Dallas Mavericks perdeu. Ela adiciona um emoji chorando.

*Nota do Editor: Anna Sauerbrey é editora internacional do jornal alemão Die Zeit. As opiniões expressas neste artigo são dela.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®