Home Mundo Netanyahu rejeita a exigência do Hamas de retirada de Gaza | CNN Brasil

Netanyahu rejeita a exigência do Hamas de retirada de Gaza | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
netanyahu-rejeita-a-exigencia-do-hamas-de-retirada-de-gaza-|-cnn-brasil

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que Israel “não libertará milhares de terroristas”, como parte de um acordo com o Hamas, prometendo prosseguir até que os objetivos da guerra em Gaza sejam alcançados.

E ele rejeitou a principal demanda do Hamas em qualquer acordo, dizendo que Israel não retiraria as tropas de Gaza.

“Ouço declarações sobre todos os tipos de acordos”, disse ele em um discurso aos israelenses na Cisjordânia ocupada. “Por isso quero deixar claro que não terminaremos esta guerra com menos do que a realização de todos os seus objetivos. Isto significa a eliminação do Hamas, o retorno de todos os nossos reféns e a promessa de que Gaza deixará de representar uma “ameaça a Israel”.

Os comentários do primeiro-ministro surgem no momento em que o Hamas afirma que avalia uma proposta para um potencial acordo de reféns e cessar-fogo, mas que quer a retirada completa das forças israelenses de Gaza.

Aqui estão outras manchetes que você deve saber:

Atualização sobre o ataque na Jordânia: o presidente Joe Biden disse aos repórteres que tomou uma decisão sobre a resposta dos EUA ao ataque com drones que matou três militares americanos e feriu dezenas na Jordânia. Entretanto, a mais poderosa milícia apoiada pelo Irão no Iraque anunciou a suspensão das suas operações militares contra as forças dos EUA, dois dias após o ataque. “Vimos esses relatórios”, disse um funcionário do Pentágono. “Não tenho nenhum comentário específico a fazer, a não ser que as ações falem mais alto que as palavras”.

Atividade militar: os militares israelenses confirmaram na terça-feira (29) que têm bombeado “grandes volumes de água” em supostos túneis do Hamas em Gaza. Quando surgiram rumores sobre os planos militares para inundar os túneis, em dezembro, surgiram preocupações sobre a segurança dos reféns, muitos dos quais se acredita estarem mantidos no subsolo. Os especialistas também destacaram preocupações sobre o potencial de contaminação do abastecimento de água doce e danos às infraestruturas ao nível da superfície.

Atualizações da Agência da ONU em Gaza (UNRWA): os Estados Unidos suspenderam cerca de 300 mil dólares em financiamento para a Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina, à luz das alegações apresentadas por Israel de que alguns dos funcionários da agência estariam envolvidos no ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro.

Gaza depende há muito tempo de fluxos flutuantes de ajuda externa
A Europa tem sido o maior doador aos territórios palestinos ao longo dos anos, com os países e as instituições da UE contribuindo em média com 46% dos fundos doados anualmente. Os países árabes aumentaram a ajuda oficial após a suspensão do financiamento dos EUA.

Equipe de resgate desaparecida: a Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (SCVP) disse que perdeu contato com uma equipe no centro de Gaza que foi enviada para resgatar uma menina de seis anos, que ficou presa em um carro depois que seus familiares foram mortos em um ataque de Israel. A CNN entrou em contato com as Forças de Defesa de Israel para comentar as operações na área.

Militares israelenses no hospital Khan Younis: depois de cercar o hospital Al Amal em Khan Younis, no sul de Gaza, por mais de uma semana, veículos militares israelenses entraram em seu complexo, que está lotado com milhares de pessoas deslocadas, disse o SCVP. Os tanques dispararam “munições reais e granadas de fumaça”, disse a agência humanitária. Enquanto isso, o chefe do Estado-Maior militar de Israel disse que não permitirá que os hospitais se tornem uma “cobertura para o terrorismo” depois que forças especiais se infiltraram no hospital Ibn Sina na cidade de Jenin, na Cisjordânia, e matou três homens palestinos.

Reino Unido avalia a criação de um Estado palestino: o Reino Unido vai considerar reconhecer um Estado palestino para ajudar a acabar com a guerra com Israel, disse o secretário de Relações Exteriores do país. Além disso, o Reino Unido disse estar “alarmado” com uma conferência realizada em Jerusalém no domingo, apelando ao reassentamento de Gaza por judeus israelenses, na qual participaram vários ministros israelenses.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.