Home Mundo Inteligência Artificial “ressuscita“ ditador em campanha eleitoral na Indonésia e gera críticas | CNN Brasil

Inteligência Artificial “ressuscita“ ditador em campanha eleitoral na Indonésia e gera críticas | CNN Brasil

por Salma Freua
0 Comente
inteligencia-artificial-“ressuscita“-ditador-em-campanha-eleitoral-na-indonesia-e-gera-criticas-|-cnn-brasil

Um outrora temido general do exército, que governou a Indonésia com mão de ferro durante mais de três décadas, tem uma mensagem para os eleitores antes das próximas eleições – vinda do além-túmulo.

“Eu sou Suharto, o segundo presidente da Indonésia”, diz o ex-general num vídeo de três minutos que acumulou mais de 4,7 milhões de visualizações no X e se espalhou pelo TikTok, Facebook e YouTube.

Embora inicialmente um tanto convincente, fica claro que o homem de aparência severa no vídeo não é o ex-presidente indonésio. O verdadeiro Suharto, apelidado de “General Sorridente” porque sempre era visto sorrindo apesar de seu estilo de liderança implacável, morreu em 2008, aos 86 anos.

O vídeo era um deepfake gerado por IA (inteligência artificial), criado com ferramentas que clonavam o rosto e a voz de Suharto. “O vídeo foi feito para nos lembrar da importância dos nossos votos nas próximas eleições”, disse Erwin Aksa, vice-presidente do Golkar – um dos maiores e mais antigos partidos políticos da Indonésia. Ele compartilhou o vídeo pela primeira vez no X antes das eleições de 14 de fevereiro.

O partido é um dos 18 competindo na corrida deste ano, que verá mais de 200 milhões de eleitores às urnas. Golkar não está lançando seu próprio candidato à presidência, mas está apoiando o favorito Prabowo Subianto, um ex-general do exército durante o regime militar de Suharto – e também seu ex-genro.

Ao trazer de volta à vida um líder há muito falecido, poucas semanas antes da votação, as intenções de Golkar eram claras: encorajar os eleitores a apoiarem o partido que é sinónimo de Suharto.

“Como membro do Golkar, estou muito orgulhoso de Suharto porque ele desenvolveu com sucesso a Indonésia”, escreveu Aksa no X. “Ele trouxe muito sucesso. Devemos respeitá-lo e nos lembrar dos seus serviços – Golkar estava lá.”

Mas os críticos online condenaram o ato de usar o rosto e a voz de um homem morto, especialmente para propaganda política. “Este é o estado do nosso país hoje – trazer de volta à vida ditadores mortos para nos enganar e assustar e fazer com que votemos”, escreveu um indonésio no X.

“Desde quando se tornou ético criar deepfakes a partir de pessoas mortas? Parece tão moralmente errado”, disse outro.

Votação na era dos deepfakes

O mundo online desempenha um papel importante na política indonésia. Num país com uma das taxas de utilização da Internet mais elevadas do mundo, quase todos os partidos e políticos mantêm fortes presenças nas redes sociais para acumular seguidores e influência.

“Deepfakes podem influenciar muito uma eleição – a forma como a campanha é feita, bem como os resultados”, disse Golda Benjamin, gerente de campanha para a Ásia-Pacífico da Access Now, uma organização sem fins lucrativos de direitos digitais dos EUA.

“O perigo está na rapidez com que se espalha. Um deepfake pode facilmente atingir milhões de pessoas em segundos, influenciando e manipulando [milhões de] eleitores.”

Antes da votação deste ano, observadores disseram à CNN que muitos partidos importantes recorreram à IA e usaram uma variedade de deepfakes diferentes para obter ganhos políticos.

O vídeo de Suharto produzido por Golkar foi apenas um entre dezenas apresentados em campanhas oficiais de partidos, disseram.

Após críticas públicas, a equipe de campanha do três vezes candidato à presidência Prabowo Subianto, também atual ministro da Defesa da Indonésia, admitiu ter usado software de IA para dar ao seu chefe uma transformação fofa e animada no TikTok para atrair os eleitores jovens. Os indonésios com 40 anos ou menos – que somam cerca de 114 milhões de eleitores – constituem a maioria dos votos.

Num outro vídeo que atraiu intensas críticas, crianças geradas por IA foram utilizadas pelo partido num anúncio televisivo para contornar regras que proíbem crianças de aparecer em campanhas políticas.

“A tecnologia usada é tão avançada… Podemos entender se algumas pessoas confundiram [as crianças] com personagens reais”, disse Budisatrio Djiwandono, sobrinho de Prabowo e porta-voz de seu partido nacionalista de direita Gerindra, em um comunicado depois que o anúncio foi divulgado por grupos de vigilância.

O terceiro candidato à presidência, o ex-governador de Jacarta, Anies Baswedan, cuja campanha utiliza um chatbot alimentado por OpenAI que responde perguntas sobre suas políticas no WhatsApp, alertou contra o uso de IA nas eleições após se tornar vítima de um deepfake de áudio em janeiro. Uma conversa adulterada de Anies, supostamente sendo repreendido por um apoiador político, circulou online.

“Temos que ser críticos porque agora existe tecnologia de IA que pode gerar áudio ou imagens que podem parecer reais”, disse Anies num comício de campanha no final daquele mês.

O Ministério das Comunicações da Indonésia emitiu avisos após vários vídeos virais de IA, alertando as empresas de tecnologia e os eleitores para serem cautelosos com deepfakes. Mas os esforços não foram suficientes, disseram grupos de vigilância à CNN.

A TAPP (Tim Advokasi Peduli Pemilu), uma organização sem fins lucrativos com sede em Jacarta, disse que vídeos como o deepfake de Suharto mostraram o potencial da IA para manipulação de eleitores.

“O governo ainda não está ciente dos perigos dos deepfakes”, disse o porta-voz Gugum Ridho Putra.

“Sabemos do que a IA é capaz e isto é apenas o começo”, acrescenta. “Estamos preocupados com a manipulação dos eleitores, especialmente tão perto das eleições.”

O “fantasma” de Suharto

A ditadura de 32 anos de Suharto é considerada pelas organizações internacionais de direitos humanos como um dos períodos mais corruptos e brutais da história da Indonésia.

Milhares de pessoas foram presas ou mortas durante o seu governo, enquanto ele reprimia os críticos e opositores políticos e impunha o domínio do seu regime sobre Timor-Leste, Aceh, Papua Ocidental e as Ilhas Molucas.

A discussão sobre o seu governo permanece em grande parte um tabu na Indonésia e as opiniões sobre o seu legado são contraditórias.

Mas em locais como Kemusuk, uma aldeia perto de Yogyakarta onde ele nasceu, a sua imagem está em todo canto – desde recordações de museus que celebram a sua vida até às camisetas de recordação com o seu rosto sorridente. Agora ele encontrou fama renovada online.

“A viralidade do vídeo reflete seu legado e mostra o quão relevante ele é na Indonésia hoje”, disse Soe Tjen Marching, autor e compositor indonésio e acadêmico da Universidade SOAS de Londres. “Ele está morto há muitos anos, mas ainda tem muitos apoiadores”, acrescentou ela. “Seu fantasma ainda persiste.”

Mas para pessoas como o oficial reformado Anton Pratama, de 55 anos, que cresceu durante os anos de Suharto, o reaparecimento do ditador “foi desarmante”.

“Não se trata tanto de vê-lo novamente ou de acreditar que ele ainda está vivo”, disse Anton à CNN, acrescentando que seu filho lhe mostrou o vídeo. “O receio é que Suharto e a sua ideologia voltem a se tornar populares no país.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.