Casa Economia Fim dos Big Macs de frango? Tribunal da UE decide contra o McDonald

Fim dos Big Macs de frango? Tribunal da UE decide contra o McDonald

por Editor
15 visualizações
fim-dos-big-macs-de-frango?-tribunal-da-ue-decide-contra-o-mcdonald

É o que decidiu o segundo principal tribunal da região nesta quarta-feira (5), em uma vitória parcial para o rival irlandês Supermac’s, que travou uma longa disputa de marca registrada.

A decisão do Tribunal Geral, sediado em Luxemburgo, tem como base a tentativa da Supermac’s, em 2017, de revogar o uso do nome Big Mac pelo McDonald’s, registrado pela empresa norte-americana em 1996 para produtos de carne e aves e serviços prestados em restaurantes.

O Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia (Euipo) indeferiu o pedido de revogação da Supermac e confirmou o uso do termo pelo McDonald’s para sanduíches de carne e frango, o que levou a empresa irlandesa a contestar a decisão.

A Supermac’s, que abriu seus primeiros restaurantes em Galway em 1978 e buscou expandir-se no Reino Unido e na Europa, vende hambúrgueres de carne e frango, além de nuggets e sanduíches de frango frito.

A Corte Geral rejeitou os argumentos do McDonald’s, anulou e alterou parcialmente a decisão do Euipo.

“O McDonald’s perdeu a marca registrada da UE Big Mac em relação a produtos de aves”, decidiram os juízes. “O McDonald’s não provou o uso genuíno em um período contínuo de cinco anos na União Europeia em relação a determinados produtos e serviços.”

A cadeia de fast-food dos EUA disse por e-mail que ainda pode usar a marca registrada Big Mac, utilizada principalmente para um sanduíche de carne bovina.

O fundador da Supermac, Pat McDonagh, disse à Newstalk Radio da Irlanda que a decisão foi “uma grande vitória para qualquer pessoa com o sobrenome Mac”.

“Isso significa que podemos expandir para outros lugares com o Supermac’s em toda a UE, o que é uma grande vitória para nós hoje”, disse ele à rádio.

Os proprietários de marcas registradas devem prestar atenção à decisão, disse o advogado de PI da Pinsent Masons, Matthew Harris.

“Esse é um grande alerta e os proprietários de marcas registradas bem conhecidas não podem simplesmente se acomodar com a premissa de que ‘é óbvio que o público conhece a marca e nós a temos usado'”, disse ele.

“O caso destaca que até mesmo marcas de renome mundial são submetidas ao mesmo escrutínio quando precisam comprovar o uso genuíno de uma marca registrada em um determinado território.”

A decisão pode ser objeto de recurso ao Tribunal de Justiça da União Europeia, o mais alto da Europa.

Economia brasileira cresce 0,8% no primeiro trimestre do ano

Economia brasileira cresce 0,8% no primeiro trimestre do ano

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®