Home Mundo EUA e Reino Unido atacam alvos Houthis no Iêmen após ofensivas no Iraque e Síria | CNN Brasil

EUA e Reino Unido atacam alvos Houthis no Iêmen após ofensivas no Iraque e Síria | CNN Brasil

por gabrielbosa
0 Comente
eua-e-reino-unido-atacam-alvos-houthis-no-iemen-apos-ofensivas-no-iraque-e-siria-|-cnn-brasil

Os EUA e o Reino Unido conduziram ataques contra alvos Houthi no Iêmen a partir de plataformas aéreas e de superfície, incluindo caças, com o apoio de vários outros países.

Pelo menos 30 alvos foram atingidos em cerca de 10 locais, de acordo com duas autoridades dos EUA.

Os alvos incluíam comando e controle, uma instalação subterrânea de armazenamento de armas e outras armas usadas pelos Houthis para atingir rotas marítimas internacionais, disse uma autoridade.

“O nosso objetivo continua diminuir as tensões e restaurar a estabilidade no Mar Vermelho, mas vamos reiterar o nosso aviso à liderança Houthi: não hesitaremos em continuar a defender vidas e o livre fluxo de comércio numa das vias navegáveis ​​mais críticas do mundo em face a ameaças contínuas”, afirmaram os EUA e o Reino Unido numa declaração conjunta com Austrália, Bahrein, Canadá, Dinamarca, Países Baixos e Nova Zelândia.

Dois destróieres dos EUA dispararam mísseis Tomahawk como parte dos ataques contra alvos Houthi no Iêmen, disse uma autoridade dos EUA à CNN. O USS Gravely e o USS Carney, ambos destróieres de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, dispararam mísseis de cruzeiro de ataque terrestre durante a operação.

Caças F/A-18 do porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower também participaram dos ataques, disseram autoridades.

No início deste sábado (3), os EUA atingiram seis mísseis de cruzeiro anti-navio Houthi antes de serem lançados em direção ao Mar Vermelho, disse o Comando Central dos EUA.

Os ataques em dias consecutivos ocorrem no momento em que o governo de Joe Biden adota uma resposta “em vários níveis” a um ataque de drone que matou três militares dos EUA e feriu muitos outros no fim de semana passado.

Procurando evitar uma guerra regional com Teerã, os EUA não atacaram diretamente o Irã, perseguindo em vez disso alguns dos seus representantes mais poderosos na região.

É uma forma indireta de tentar enviar uma mensagem à liderança do Irã, que tem ficado cada vez mais nervosa com as ações de algumas das organizações militantes que apoia, informou a CNN. O Irã financia, arma e suporta estes grupos em diferentes graus, mas a sua liderança não os controla diretamente.

Os ataques no Iêmen são distintos dos ataques no Iraque e na Síria: os primeiros são uma resposta aos contínuos ataques Houthi às rotas marítimas internacionais e aos navios de guerra dos EUA no Mar Vermelho, enquanto os últimos são uma retaliação por um ataque mortal às tropas dos EUA.

Mas ambos têm como alvo grupos apoiados pelo Irã no Médio Oriente.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que os ataques mais recentes “têm a intenção de perturbar e degradar ainda mais as capacidades” da milícia Houthi.

“Esta ação coletiva envia uma mensagem clara aos Houthis de que eles continuarão a sofrer novas consequências se não acabarem com seus ataques ilegais a navios internacionais e navios de guerra”, disse Austin em um comunicado no sábado.

“Não hesitaremos em defender vidas e o livre fluxo do comércio numa das vias navegáveis ​​mais críticas do mundo.”

O presidente Biden deu luz verde aos ataques de sábado no início da semana, de acordo com dois altos funcionários da administração, que enfatizaram à CNN que os EUA não querem uma escalada e que as investidas são uma resposta direta às ações dos Houthis.

Biden admitiu no mês passado que os ataques anteriores contra os Houthis não detiveram o grupo rebelde, mas deixou claro que os ataques continuarão.

Entretanto, Mohammed Al Bukhaiti, um membro importante do Conselho Político Houthi, disse num comunicado no sábado: “O bombardeamento de uma série de províncias do Iêmen pela coligação EUA-Reino Unido não mudará a nossa posição, e afirmamos que as nossas operações militares contra Israel irão continuar até que os crimes de genocídio em Gaza sejam interrompidos e o cerco aos seus residentes seja levantado, independentemente dos sacrifícios que isso nos custe.”

Na sexta-feira (2), os EUA realizaram ataques unilaterais separados contra quatro locais na Síria e três no Iraque, atingindo mais de 85 alvos, incluindo centros de comando e controlo, centros de inteligência e instalações de armas.

“Acreditamos que os ataques foram bem-sucedidos”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, após a operação.

Mas a administração Biden prometeu que seriam tomadas novas medidas contra grupos apoiados pelo Irã no Iraque e na Síria.

Austin disse em comunicado que os ataques dos EUA na sexta-feira foram “o início da nossa resposta”. Nem a Casa Branca, nem o Pentágono informariam exatamente quando ocorreriam as próximas fases da resposta.

Quase exatamente 24 horas depois de as primeiras armas dos EUA atingirem os seus alvos no Iraque e na Síria, os EUA realizaram mais ataques no Iêmen.

Os ataques de sábado são a terceira vez nas últimas semanas que os EUA e o Reino Unido atacam alvos Houthi como parte de uma operação conjunta. Em 11 de janeiro, os dois países atacaram aproximadamente 30 locais Houthi. Menos de duas semanas depois, os EUA e o Reino Unido atacaram outros oito locais.

Os ataques anteriores tiveram como alvo instalações de armazenamento de armas e locais de radar Houthi, numa tentativa de perturbar a capacidade do grupo rebelde apoiado pelo Irã de atacar rotas marítimas internacionais no Mar Vermelho e no Golfo de Aden, algumas das vias navegáveis ​​mais críticas do mundo.

Mas os Houthis permaneceram desafiadores, prometendo, após a última ronda de ataques liderados pelos EUA, que estão “mais determinados a confrontar” o que chamaram de “agressores” dos EUA e do Reino Unido.

Além dos ataques em maior escala contra alvos Houthi, os EUA realizaram ataques menores contra armamento Houthi. Na sexta-feira, as forças dos EUA atacaram quatro drones Houthi que o Comando Central dos EUA disse estarem preparados para lançar e representavam uma “ameaça iminente” às rotas marítimas e aos navios de guerra dos EUA.

No mesmo dia, as forças dos EUA, incluindo um destróier de mísseis teleguiados e um caça a jato F/A-18, abateram um total de oito drones sobre o Mar Vermelho e o Golfo de Aden.

Com contribuição de Kaanita Iyer e Priscilla Alvarez, da CNN

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.