Home Mundo Entenda por que protestos de agricultores eclodiram em toda a Europa | CNN Brasil

Entenda por que protestos de agricultores eclodiram em toda a Europa | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
entenda-por-que-protestos-de-agricultores-eclodiram-em-toda-a-europa-|-cnn-brasil

Os agricultores estão realizando protestos por toda a Europa, entupindo as ruas com os seus tratores, bloqueando portos e jogando ovos no Parlamento Europeu devido a uma longa lista de reclamações que vão desde a regulamentação ambiental até à burocracia excessiva.

“Já não ganhamos a vida com a nossa profissão”, disse um agricultor em Paris à CNN.

Embora alguns dos protestos mais dramáticos tenham ocorrido na França, ações semelhantes têm acontecido em uma série de países, incluindo a Itália, Espanha, Romênia, Polônia, Grécia, Alemanha, Portugal e nos Países Baixos.

A agricultura representa apenas 1,4% do PIB da União Europeia, mostram os números mais recentes, mas os protestos no leste europeu no ano passado contra as importações baratas da Ucrânia – que provocaram longos bloqueios nas fronteiras – mostram como os agricultores, em grupo, são capazes de causar grandes problemas.

Tanto os governos nacionais como a UE estão agora sob pressão para reprimir as novas manifestações.

A CNN analisa mais de perto os fatores envolvidos.

O que está acontecendo e onde?

Essa semana, os protestos dos agricultores atingiram o coração da União Europeia, quando chegaram a Bruxelas na quinta-feira (1º), enquanto os líderes realizavam uma importante cúpula sobre a Ucrânia.

Uma vez acampados em frente ao prédio do parlamento, eles atiraram ovos, tocaram as buzinas e provocaram incêndios.

Os agricultores belgas visaram as fronteiras com os Países Baixos em Zandvliet, Meer e Postel, causando atrasos.

Na França, os agricultores bloquearam as principais rodovias que levam a Paris, bem como às cidades de Lyon e Toulouse. Dezenas de agricultores montaram tendas e acenderam fogueiras para se manterem aquecidos enquanto tentavam bloquear as rotas para a capital francesa.

Pelo menos 91 pessoas foram detidas na quarta-feira (31) por obstruir o tráfego e causar danos perto do mercado de Rungis, ao sul de Paris, um importante centro de distribuição de alimentos, informou a BFMTV, afiliada da CNN. Mas outros manifestantes foram menos hostis: alguns agricultores distribuíram pain-au-chocolats frescos à polícia nos arredores de Paris.

Um agricultor, Hugo Auge, disse à CNN que o sistema atual “zomba tanto dos agricultores como dos consumidores”.

Agricultores franceses usam seus tratores para bloquear rodovia perto de um posto de pedágio em Chamant, perto de Paris, França, 26/01/2024 REUTERS/Yves Herman

Também essa semana, tratores na Grécia marcharam em direção à segunda maior cidade de Thessaloniki, na quinta-feira, com o objetivo de bloquear rotas importantes dentro da cidade.

Imagens de Portugal mostraram longas filas de caminhões estacionados perto da fronteira espanhola.

No mês passado, cidades na Alemanha foram paralisadas por milhares de agricultores que manifestaram enfrentando temperaturas gélidas, acumulando miséria sobre a coligação governamental do chanceler Olaf Scholz.

Os principais bloqueios de estradas estenderam-se por cidades de leste a oeste, incluindo Hamburgo, Colônia, Bremen, Nurembergue e Munique – com até 2 mil tratores registados em cada protesto.

Os protestos ecoam os do ano passado, quando agricultores de países do leste europeu, incluindo a Polônia, a Romênia e a Bulgária, manifestaram contra o impacto das importações baratas de cereais ucranianos, que estavam cortando os preços internos e afetando as vendas dos produtores locais.

Quais são as reclamações?

Embora a raiva relativa às políticas econômicas, regulamentares e verdes una muitos dos protestos, também existem queixas específicas de cada país.

Os agricultores de todo o bloco dizem que os custos da energia, dos fertilizantes e dos transportes aumentaram, especialmente após a guerra da Rússia na Ucrânia.

Além disso, os governos têm tentado reduzir o aumento dos preços dos alimentos em meio à inflação.

Os dados do Eurostat mostram que os preços que os agricultores obtêm pelos seus produtos agrícolas atingiram o pico em 2022, mas têm diminuído desde então – caindo quase 9%, em média, entre o terceiro trimestre de 2022 e o mesmo período de 2023.

Na França, um plano do governo para eliminar gradualmente uma redução de impostos para os agricultores sobre o diesel, como parte de uma política mais ampla de transição energética, também suscitou indignação.

Protesto de agricultores belgas em Zeebruge / 30/1/2024 REUTERS/Johanna Geron

As importações estrangeiras baratas alimentaram o descontentamento, com os agricultores argumentando que tais produtos constituem uma concorrência desleal.

Emmanuel Mathé, um fazendeiro francês da pequena aldeia de Noisy-Rudignon, em Seine et Marne, disse à CNN: “Estamos sujeitos a enormes restrições e há produtos que chegam de fora da Europa, que competem connosco sem aplicar as mesmas regras que somos obrigados para produzir”.

Os agricultores, especialmente no leste europeu, continuam manifestando as reclamações sobre as importações agrícolas baratas da Ucrânia, incluindo cereais, açúcar e carne. A UE renunciou a cotas e direitos sobre as importações ucranianas à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia.

As mudanças climáticas estão agravando a situação de diferentes maneiras. Eventos climáticos extremos, como incêndios florestais e secas, estão afetando cada vez mais a produção.

A raiva também foi dirigida a Bruxelas por causa das metas ambientais da UE. Renaud Foucart, professor sênior de economia na Universidade de Lancaster, na Inglaterra, aponta o Acordo Verde Europeu como uma importante fonte de tensão.

O acordo visa introduzir medidas que incluem um imposto sobre o carbono, proibições de pesticidas, restrições às emissões de nitrogênio e restrições ao uso da água e da terra.

Foucart diz que os agricultores estão tentando adiar as regulamentações do Acordo Verde durante o maior tempo possível. “Portanto, eles querem adiar ainda mais qualquer tentativa de taxar o carbono, qualquer tentativa de reduzir os pesticidas”.

Agricultores franceses bloqueiam autoestrada A16 com tratores para protestar contra pressões sobre preços, impostos e regulamentação verde, perto de Beauvais / 23/01/2024 REUTERS/Abdul Saboor

Ele salienta que cada país europeu tem as suas preocupações específicas.

“Na Alemanha, o foco era no diesel, começando então a tributar o diesel para tratores. Nos Países Baixos, o problema específico era sobre a tributação do nitrogênio, que afeta a produção industrial de suínos e galinhas. A Polônia é um caso muito interessante porque tem estado na vanguarda do apoio militar à Ucrânia, mas ao mesmo tempo os agricultores polacos estão muito irritados e bloqueiam a fronteira para garantir que os grãos ucranianos não cheguem à Polônia.”

O que está sendo feito para acalmar os protestos?

A nível da UE, os agricultores obtiveram um compromisso de Bruxelas em 31 de janeiro, quando foi anunciado um adiamento nas regras que os obrigariam a reservar terras para promover a saúde do solo e a biodiversidade.

A Comissão Europeia ofereceu uma isenção aos agricultores da UE da obrigação de manter uma parte mínima das suas terras em pousio, ao mesmo tempo que permitiu a eles manter os pagamentos de apoio associados.

A Comissão também disse que prorrogaria a suspensão dos direitos de importação sobre as exportações ucranianas por mais um ano, até junho de 2025.

A nível governamental, Berlim recuou parcialmente nos seus planos de cortar os subsídios ao diesel no mês passado.

Diluindo o seu plano original, o governo disse que a isenção do imposto para veículos agrícolas seria mantida e os cortes nos incentivos fiscais para o diesel seriam escalonados ao longo de três anos. Muitos agricultores, no entanto, pedem uma inversão completa.

A Grécia anunciou que iria prolongar por um ano a redução fiscal especial sobre o diesel agrícola, em resposta aos apelos dos agricultores que perderam as suas colheitas e gado em inundações.

A França anunciou essa semana uma série de medidas para os agricultores. O recém-nomeado primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, comprometeu-se a salvaguardar a “soberania alimentar” e disse que a França aumentaria os controles sobre as importações de alimentos “que não respeitem as nossas regras a nível europeu e francês”, em um esforço para proteger os agricultores da concorrência desleal.

Protesto de agricultores em frente ao Parlamento Europeu, em Bruxelas / 1/2/2024 REUTERS/Yves Herman

Attal também anunciou a atribuição de 150 milhões de euros aos criadores de gado “em apoio fiscal e social, a partir deste ano e continuando de forma permanente”.

Há sinais de que as medidas francesas estão funcionando – alguns bloqueios foram levantados depois de dois grandes sindicatos terem apelado ao fim dos bloqueios de estradas. Mas em outros lugares os protestos continuam.

O que vem pela frente?

Embora os governos tenham feito concessões, alguns agricultores dizem que não são suficientes e pedem uma ação contínua.

Os protestos também alimentaram reações contra a União Europeia antes das eleições para o Parlamento Europeu, em junho.

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von Der Leyen, defendeu a meta da UE de alcançar emissões líquidas zero até 2050.

No entanto, enfrenta pressão do seu próprio partido de centro-direita para diluir a legislação verde.

Os partidos europeus de extrema direita esperam obter ganhos nas eleições e podem capitalizar as queixas dos agricultores para obter ganhos políticos próprios.

Isso já foi visto na Alemanha, quando a Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema direita, se envolveu nos protestos e manifestou solidariedade para com os agricultores.

E há precedentes para que os agricultores façam mais do que apenas sair às ruas. Em março do ano passado, um partido populista holandês surfou em uma onda de raiva rural para conseguir eleições importantes. O Movimento Agricultor-Cidadão ou BoerburgerBeweging (BBB) surgiu de manifestações em massa contra as políticas ambientais do governo. É agora o maior partido do Senado holandês.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.