Home Mundo Entenda o que é a sentença de pena de morte suspensa da China | CNN Brasil

Entenda o que é a sentença de pena de morte suspensa da China | CNN Brasil

por marianacatacci
0 Comente
entenda-o-que-e-a-sentenca-de-pena-de-morte-suspensa-da-china-|-cnn-brasil

O escritor australiano pró-democracia Yang Hengjun recebeu uma condenação a “pena de morte suspensa” por um tribunal de Pequim na segunda-feira (5), no que os defensores dos direitos humanos consideram ser um veredicto excessivamente duro num caso relacionado com espionagem.

A pena de morte suspensa na lei chinesa dá ao acusado um adiamento de dois anos da execução, após o qual é automaticamente convertida em prisão perpétua ou, mais raramente, em prisão com duração determinada. O indivíduo permanece preso o tempo todo.

“Tem sido usada mais comumente nos últimos anos como uma forma de reduzir a prevalência de execuções sem abolir totalmente a pena de morte”, disse Ryan Mitchell, professor de direito na Universidade de Hong Kong, acrescentando que a prevalência exata das sentenças de morte, incluindo suspensões, é tratada pela China como segredo de Estado.

“A sentença é usada para uma ampla gama de casos e não está associada a um tipo específico de crime”, disse Mitchell. Ele disse que é frequentemente usado para crimes considerados como tendo “sério impacto social negativo”, como o tráfico de drogas.

Em dezembro, um antigo vice-presidente do regulador bancário da China foi condenado à morte com uma prorrogação de dois anos por aceitar subornos e abuso de poder. A mesma sentença também foi proferida ao ex-ministro da Justiça Fu Zhenghua em 2022 por aceitar subornos.

Quer seja executada ou não, a sentença equivale efetivamente a uma pena de morte devido aos problemas de saúde de Yang e aos cuidados médicos inadequados que recebeu na prisão, disse Elaine Pearson, diretora da Divisão Ásia da Human Rights Watch.

Possibilidade de deportação

De acordo com Mitchell, a liberdade condicional “geralmente não pode ser concedida até que metade de um prazo fixo tenha sido cumprido, ou após 10 anos de cumprimento em caso de prisão perpétua”. Mas o tribunal superior da China pode abrir exceções em “circunstâncias especiais”, acrescentou.

“Para um caso desta natureza, a disponibilidade dessa possibilidade após o término do período de dois anos ajudaria a manter um certo grau de influência diplomática”, disse ele.

Patrick Poon, analista independente de direitos humanos e professor convidado da Universidade de Tóquio, disse que é “muito raro ver casos de espionagem receberem pena de morte suspensa” na China, especialmente porque o governo australiano tem se manifestado veementemente sobre a exigência da libertação de Yang.

“Torna-se outra questão a quantidade de pressão internacional e diplomática exercida sobre o governo chinês”, disse ele, referindo-se aos casos do cidadão australiano Cheng Lei e dos “dois Michaels” canadenses, que acabaram sendo deportados de volta aos seus países de origem após serem julgado por acusações de espionagem.

“Ainda existe a possibilidade de Yang ser deportado, mas não está claro no momento”, acrescentou Poon.

Falta de transparência

O Ministério das Relações Exteriores da China confirmou na segunda-feira (5) a sentença de Yang e que ele foi considerado culpado de espionagem, sem dar mais detalhes sobre as acusações.

“O tribunal ouviu o julgamento em estrita conformidade com a lei e garantiu os seus direitos processuais”, disse o porta-voz Wang Wenbin num briefing diário, acrescentando que o “lado australiano” foi autorizado a testemunhar a sentença.

Os advogados de Yang, que incluem o proeminente advogado chinês de direitos humanos, Mo Shaoping, foram proibidos de falar publicamente sobre o caso.

Os tribunais chineses têm uma taxa de condenação de 99,9% e os veredictos para casos de segurança nacional ou relacionados com a pena de morte nunca são publicados online.

“Este caso realmente destaca o que acontece com as pessoas que são detidas arbitrariamente por acusações de segurança nacional na China e destaca a opacidade do sistema de justiça criminal”, disse Pearson.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.