Casa Brasil Enchentes no RS: “abandono total“, relata moradora de Sapucaia do Sul | CNN Brasil

Enchentes no RS: “abandono total“, relata moradora de Sapucaia do Sul | CNN Brasil

por Felipe Andrade
7 visualizações
enchentes-no-rs:-“abandono-total“,-relata-moradora-de-sapucaia-do-sul-|-cnn-brasil

Moradores de Sapucaia do Sul, cidade com 120 mil habitantes, relatam desespero e abandono total do poder público. “Não tem ninguém, só tem a gente, parece que estamos em um pesadelo”, desabafa a voluntária Eléia Silveira.

A moradora ajuda em um dos pontos de coleta do município, e já viu ao menos mil pessoas relatarem estar desalojadas. “Quem perdeu tudo não tem nem celular, não tem informação de nada, contato com nada, é caos total.”

Os bairros Fortuna e Carioca estão debaixo da água — e ainda não há previsão de melhora significativa. Segundo o geólogo Franco Buffon, gerente do Serviço Geológico do Brasil, o tempo aberto dos últimos dias não é sinônimo de diminuição da enchente. “A água chega muito rápido das regiões altas, mas, ao chegar nessa parte mais plana, pode levar dias para escoar.”

A enxurrada que desceu pelos rios do centro do estado também inundou outras cidades do Vale dos Sinos. Além de Sapucaia do Sul, em São Leopoldo, município de 220 mil habitantes, os registros são de moradias e comércios cobertos até o teto.

Veja o vídeo feito por voluntários(São Leopoldo/bairro Campina):

O socorro não pode esperar

Além do bairro Campina, os pedidos de socorro chegam dos bairros Vicentina, Santos Dumont, Vila Brás, São Geraldo, Jardim Fenix e Centro.

As duas cidades, Sapucaia do Sul e São Leopoldo, são vizinhas e fazem parte da lista divulgada pelo governo do Rio Grande do Sul na declaração de estado de calamidade pública, viabilizando a redução na demora do envio de repasses públicos. São 336 municípios no decreto estadual 59700 do dia 04 de maio de 2024.

Porém, os gaúchos da região afirmam que as vidas não têm tempo para esperar o poder público, e que “o próprio povo vai se mobilizar para salvar vizinhos que não tem para onde ir”.

Sem saber como recomeçar

“A nossa casa, em São Leo, está no teto. Sumiu tudo”, relata a moradora da região central, Graziele Oliveira, grávida de 3 meses. “Nossos amigos também perderam tudo, geladeira, cama, roupa de criança, roupa de adulto, tudo, não sobrou nada.”

O número de mortos em todo o estado é de 95, segundo a última atualização. Entre as cidades com mais perdas até o momento, estão Cruzeiro do Sul (8 mortes), Gramado (7 mortes) e Bento Gonçalves (6 mortes). Ainda há ao menos 100 pessoas desaparecidas.

“O importante é que estamos vivos”, afirma a moradora de São Leopoldo, que não sabe como reconstruir o que demorou uma vida para conquistar.

Respostas das prefeituras

A reportagem contatou as prefeituras de Sapucaia do Sul e São Leopoldo. À espera do retorno.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®