Início » Em discurso enérgico, Biden diz a aliados da Otan que Ucrânia vai deter Putin | CNN Brasil

Em discurso enérgico, Biden diz a aliados da Otan que Ucrânia vai deter Putin | CNN Brasil

por Luciana Caczan
30 visualizações
em-discurso-energico,-biden-diz-a-aliados-da-otan-que-ucrania-vai-deter-putin-|-cnn-brasil

Joe Biden defendeu vigorosamente as conquistas da sua política externa durante a cúpula da Otan em Washington na terça-feira (9), que está sendo observada de perto por aliados tanto dentro quanto fora dos Estados Unidos, em busca de evidências de que o presidente americano, em dificuldades, ainda pode liderar.

Biden, 81 anos, tem enfrentado dias de perguntas difíceis sobre sua capacidade para o cargo, enquanto alguns de seus colegas democratas no Congresso e doadores de campanha temem que ele possa perder a eleição de 5 de novembro após o fraco desempenho no debate de 27 de junho.

“(Vladimir) Putin quer nada menos, nada menos do que a subjugação total da Ucrânia … e apagar a Ucrânia do mapa”, disse Biden, referindo-se ao presidente russo. “A Ucrânia pode e vai deter Putin.”

A Casa Branca espera que ele possa virar a página sobre especulações após seu discurso da terça, no qual falou com voz forte e confiante e evitou quaisquer deslizes verbais ou sinais de confusão que marcaram sua participação no debate.

Biden tem rejeitado pedidos para se retirar da corrida contra o republicano Donald Trump, de 78 anos, prometendo derrotá-lo em novembro. Até agora, ele ainda conta com o apoio da maioria dos líderes de seu partido.

O presidente dos EUA colocou a restauração das alianças tradicionais dos EUA no exterior como peça central de sua política externa, após Trump desafiar os aliados com uma abordagem de “América Primeiro”. O vencedor em novembro poderá ter um impacto substancial no futuro da Otan, da Europa e do resto do mundo.

Trump sugeriu que, se fosse reeleito, não defenderia os membros da Otan se fossem atacados militarmente e não atendessem à meta de 2% do PIB respectivo de cada país com gastos com defesa da aliança. Ele também questionou a quantidade de ajuda dada à Ucrânia em sua batalha contra a invasão da Rússia.

O foco principal da cúpula da Otan estava previsto para ser novos compromissos de ajuda militar e humanitária à Ucrânia, além de uma ponte para que este país devastado pela guerra pudesse se juntar à aliança de 32 membros.

A luta de Zelensky para conseguir mais

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chegou a Washington na terça-feira e afirmou que irá “lutar” para que a Otan fortaleça as defesas aéreas da Ucrânia e forneça mais caças F-16, pedidos que Washington parece estar disposto a conceder.

“Estamos lutando por garantias adicionais de segurança para a Ucrânia – armas, finanças, apoio político”, disse ele em um vídeo nas redes sociais.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden, afirmou que a Otan anunciaria um novo comando militar na Alemanha para treinar e equipar as tropas ucranianas, além de nomear um representante sênior em Kiev para fortalecer os laços. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse que a cúpula irá “reforçar ainda mais” o caminho da Ucrânia para a adesão à aliança.

O Secretário-Geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse a representantes da indústria de defesa em Washington que os líderes da Otan se comprometerão a permitir que fabricantes de armas em toda a Europa e América do Norte aumentem sua produção.

Ele também mencionou que a aliança fez um pedido de mísseis antiaéreos Stinger no valor de quase 700 milhões de dólares em nome de vários estados membros.

Os mísseis Stinger, portáteis e disparados apoiados nos ombros, têm sido muito requisitados na Ucrânia, que têm conseguido deter ataques aéreos russos, e em países europeus vizinhos que temem também precisar repelir forças russas.

Zelensky está programado para se encontrar com Biden na Casa Branca na quinta-feira (11) e deve fazer um discurso na terça-feira à noite na cúpula da Otan.

Após rejeitar pedidos de alguns colegas democratas para que Biden renunciasse, a Casa Branca espera que o foco retorne à sua capacidade de governar normalmente.

Assessores do líder americano disseram que seu discurso de abertura na cúpula da Otan destacaria o que sua administração vê como uma conquista chave: uma Otan mais forte e unida, sob liderança de Washington, com mais membros e determinação para atender às necessidades de segurança coletiva.

Eles afirmam que isso traz resultados tangíveis para os eleitores americanos: um país mais seguro, com uma posição econômica internacional robusta, mais alianças e poder no exterior, e menos riscos de conflito com seus adversários.

Trump e muitos aliados republicanos rejeitam tais argumentos.

Biden vai continuar no poder?

A Otan, que celebra seu 75º aniversário, encontrou um novo propósito em se opor à invasão da Ucrânia por Putin, e a guerra contínua dominará as conversas privadas entre os líderes dos países.

Esses líderes, já ansiosos com a perspectiva do retorno de Trump, chegaram a Washington com preocupações renovadas sobre a capacidade de permanência de Biden, segundo diplomatas de seus países. Um deles descreveu Biden como “ferido” após um período político difícil e disse que seu governo estava buscando sinais de que ele sobreviveria politicamente.

Biden realizará uma rara coletiva de imprensa sozinho na quinta-feira, também com o objetivo de acalmar preocupações.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®