Casa Economia Dólar encosta em R$ 5,30 após PIB e de olho no exterior; Ibovespa cai

Dólar encosta em R$ 5,30 após PIB e de olho no exterior; Ibovespa cai

por Editor
10 visualizações

Já no exterior, o foco fica mais uma vez com a política monetária de países desenvolvidos, com investidores de olho na divulgação de novos dados do mercado de trabalho norte-americano e na decisão de juros do Banco Central Europeu (BCE), previsto para quinta-feira (6).

O Ibovespa, principal índice acionário da bolsa de valores brasileira (B3), opera em queda.

Veja abaixo o resumo dos mercados.

Dólar

Às 13h15, o subia 1,00%, cotado em R$ 5,2856. Na máxima do dia, chegou aos R$ 5,2941. Veja mais cotações.

Na segunda-feira (3), a moeda norte-americana caiu 0,30%, cotada a R$ 5,2335.

Com o resultado, acumulou:

  • queda de 0,30% na semana;
  • perdas de 0,30% no mês;
  • ganho de 7,85% no ano.

Ibovespa

No mesmo horário, o Ibovespa caía 0,49%, aos 121.438 pontos.

Na segunda-feira, o índice encerrou em queda de 0,05%, aos 122.032 pontos.

Com o resultado, acumulou quedas de:

  • 0,05% na semana;
  • 0,05% no mês;
  • 9,06% no ano.

Entenda o que faz o dólar subir ou descer

Entenda o que faz o dólar subir ou descer

O que está mexendo com os mercados?

Nesta semana, investidores operam atentos a uma série de indicadores macroeconômicos previstos na agenda doméstica e internacional.

No Brasil, as atenções ficam voltadas para o PIB do país, que subiu 0,8% no primeiro trimestre deste ano em relação a igual período do ano passado.

O crescimento foi puxado, sobretudo, pelo setor se serviços, que teve uma alta de 1,4% no período. A agropecuária também cresceu, registrando variação positiva de 11,3%. A indústria, porém, apresentou leve queda de 0,1%.

Segundo Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, “neste trimestre tivemos um crescimento da economia totalmente baseado na demanda interna”.

Em contrapartida, Palis explica que houve uma mudança na contribuição do setor externo para o crescimento da economia nos primeiros meses do ano em relação ao que foi observado nos anos anteriores.

A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE destaca que, com as importações (6,5%) bem maiores que as exportações (0,2%), o setor externo está, na verdade, puxando o PIB para baixo.

Isso porque, com um dólar mais barato, ficou mais fácil importar, principalmente com os investimentos em bens de capital, enquanto a demanda pelas principais commodities exportadas pelo Brasil tem sido mais baixo em nível global.

Dados da indústria e da balança comercial brasileira também ficam no radar nesta semana.

Já no exterior, a política monetária das economias desenvolvidas toma a frente dos negócios mais uma vez.

Nos Estados Unidos, o mercado segue atento a novos dados do mercado de trabalho, em busca de novos sinais sobre o futuro dos juros na maior economia do mundo.

Na semana passada, além da divulgação do índice de preços PCE — medida de inflação preferida pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) —, que subiu 2,7%, o mercado também repercutiu o crescimento de 1,3% do PIB dos EUA no primeiro trimestre, abaixo das expectativas do mercado, de alta de 1,6%.

Esses números mais controlados fazem com que o mercado volte a acreditar que o Fed, pode iniciar o seu ciclo de cortes nos juros ainda em setembro.

Além disso, investidores também seguem em compasso de espera pela nova decisão de política monetária do BCE, prevista para quinta-feira (6). A estimativa é que a instituição dê início ao ciclo de corte de juros na região. Já na China, os dados da balança comercial de maio devem ser divulgados na sexta-feira (7).

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®