Home Mundo Cerveja, salsichão e conspiração: uma reunião da extrema-direita da Alemanha | CNN Brasil

Cerveja, salsichão e conspiração: uma reunião da extrema-direita da Alemanha | CNN Brasil

por marianacatacci
0 Comente
cerveja,-salsichao-e-conspiracao:-uma-reuniao-da-extrema-direita-da-alemanha-|-cnn-brasil

Um vilarejo em Brandeburgo, no nordeste da Alemanha, formado por um cruzamento e 80 moradores, tornou-se um microcosmo do país na semana passada.

À medida que a escuridão se aproximava em Freienthal, os manifestantes assobiavam e mostravam cartões vermelhos no estilo do futebol para os carros que se dirigiam à prefeitura local.

Do lado de fora do salão, as pessoas pegavam uma cerveja e uma salsicha antes de ocuparem seus lugares lá dentro, ignorando os apelos dos manifestantes na rua para que viessem conversar.

Eles vieram para uma noite de conversa com o Alternative fur Deutschland (AfD), o principal partido de extrema-direita da Alemanha.

Para um grupo, essa reunião representou um pedido de mudança política; para o outro, um risco para a democracia alemã. Essa discordância veemente está sendo discutida em todo o país, que se aproxima das eleições regionais em setembro.

Após os ganhos da extrema-direita em vários países europeus, principalmente na Holanda e na Itália, a Alemanha pode seguir o mesmo caminho.

O organizador dos protestos anti-AfD em Freienthal, Adam Sevens, disse à CNN que “os planos da AfD apenas revelam a xenofobia, o ódio e o fanatismo que existem neste país. Agora é a hora de nos levantarmos”.

Esse sentimento pode não ser infundado. Uma participante, uma enfermeira que se recusou a dar seu nome, nos disse que estava feliz por alguém estar se manifestando por ela, acrescentando: “Fico feliz que alguém esteja cuidando de toda essa escória que se espalhou aqui em nosso país, em nossa bela Alemanha – é realmente um estado.”

Membros da audiência na reunião da AfD em Freienthal
Membros da audiência na reunião da AfD em Freienthal / Chris Stern/CNN

Dentro do salão, três importantes legisladores da AfD da região, Brigit Bessin, Lars Hunich e Marlon Deter, se revezaram para falar à multidão de 50 pessoas, e cada mensagem enfática era recebida com aplausos e batidas de punhos nas mesas.

Havia propaganda espalhada pela sala: folhetos que alertavam para o “extremismo de esquerda” em toda a Alemanha e pôsteres dizendo “nosso país em primeiro lugar”.

Mensagem distorcida

Parte da estratégia do AfD para ganhar votos é afirmar que eles são mais transparentes do que os principais partidos políticos da Alemanha.

O AfD diz que está dando voz às pessoas que não estão sendo ouvidas em Berlim.

No salão em Freienthal, os palestrantes ficaram felizes em se agarrar a debates populistas e conspirações.

Entre os tópicos abordados estavam QAnon, a pandemia de Covid e se a mudança climática é real.

Uma professora que se recusou a dar seu nome disse à CNN, ao sair, que estava votando no AfD porque eles estavam “finalmente defendendo os cidadãos e estão lentamente fazendo o que queremos, e queremos fazer parte do governo”.

Não é provável que o partido faça parte do governo federal tão cedo, mas regionalmente ele é uma força em expansão.

Berndt, o extremista

O Dr. Hans-Christoph Berndt é o líder do AfD na região de Brandenburgo. Ele foi classificado como um extremista de direita pela inteligência alemã.

Recentemente, ele tem falado abertamente sobre uma reunião secreta de extremistas de direita que ocorreu em Potsdam, capital regional de Brandemburgo, e sobre os protestos nacionais que ocorreram em seguida.

A reunião secreta supostamente discutiu a deportação de requerentes de asilo e cidadãos alemães de origem estrangeira sob o pretexto de “remigração”. Membros da AfD e até o próprio assessor de imprensa de Berndt compareceram.

O AfD tentou oficialmente se distanciar dos relatos, dizendo que não se tratava de uma reunião oficial do partido.

Mas a questão da imigração para o partido está no centro das atenções.

Berndt disse recentemente que “a remigração não é um segredo, mas uma promessa”, uma mensagem que ele reiterou em uma entrevista à CNN.

“Temos que fazer isso porque um país que não protege suas fronteiras e um país que está aberto a qualquer pessoa que venha, quer tenha um motivo ou não, não pode existir”, disse ele, acrescentando que o governo federal “não está colocando os interesses da população indígena em primeiro lugar, mas sim colocando os outros em primeiro lugar”.

Coalizão dos descontentes

Os alemães podem não concordar com a política de imigração ou com a retórica em torno dela, mas uma coisa que até mesmo o governo admite é que não está se ajudando.

A coalizão construída pelo chanceler Olaf Scholz está se desgastando, com brigas internas, discordâncias sobre políticas e acusações de que as autoridades eleitas não representam mais os valores pelos quais foram inicialmente eleitas.

O próprio Scholz está sendo avaliado com um dos números mais baixos de todos os tempos para um chanceler alemão.

Omid Nouripour é o líder do Partido Verde, um dos parceiros da coalizão. Ele disse à CNN: “Temos que melhorar muitas coisas, especialmente o desempenho da nossa coalizão. Estamos oferecendo muitas soluções, mas os debates públicos que temos sobre isso são muito altos”.

Os dados das pesquisas atuais colocam a coalizão no rumo de uma derrota considerável nas eleições nacionais, com o AfD ficando em segundo lugar se a votação fosse realizada amanhã.

AfD preenche o vazio

As pesquisas nas regiões, especialmente em três dos estados que compunham a antiga Alemanha Oriental – Brandemburgo, Turíngia e Saxônia – são um reflexo de um sentimento de abandono e de que o governo não está ouvindo. A AfD está entrando nesse vazio.

Nesses três estados, o AfD está liderando as pesquisas antes das eleições regionais de setembro. Isso, por sua vez, está alimentando a confiança do partido. O Dr. Berndt diz que “o governo é obviamente incapaz ou não está disposto a mudar suas políticas. E essa política está atraindo simpatia e eleitores para o AfD”.

Ele insiste que a vitória está no horizonte nas votações regionais. “A insatisfação está crescendo dramaticamente, e os dados econômicos são abismais… os problemas estão crescendo e o AfD é o único partido de oposição relevante na Alemanha.”

Manifestantes contra a AfD manifestam-se no caminho da reunião. As placas dizem: 'Quantos mais documentários sobre Hitler você precisa?' E: 'Se a AfD é a resposta, então quão estúpida foi a pergunta?'
Manifestantes contra a AfD manifestam-se no caminho da reunião. As placas dizem: ‘Quantos mais documentários sobre Hitler você precisa?’ E: ‘Se a AfD é a resposta, então quão estúpida foi a pergunta?’ / Chris Stern/CNN

À medida que o apoio do partido cresce, no entanto, cresce também a reação contra ele. O AfD e Berndt estão tentando apresentar essa angústia como uma conspiração controlada pelo governo.

“Não se trata de pessoas se levantando e fazendo algum tipo de exigência contra um governo, mas do governo, da mídia pró-governo e de organizações pró-governo convocando as pessoas a se manifestarem contra a oposição”, disse ele.

“Tenho 100% de certeza de que, sem a campanha do governo, as pessoas não estariam nas ruas.

Mas o AfD sabe que tem uma batalha em suas mãos, já que os oponentes do partido prometem continuar protestando. Sevens, o organizador em Freienthal, disse que a manifestação resume o estado de espírito de muitos: “Isso sinaliza que uma grande comunidade na Alemanha está agora se unindo, se levantando e se posicionando claramente a favor do fato de que não queremos isso. Não na Alemanha”.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.