Home Mundo Biden reteve intencionalmente documentos confidenciais, mas não será acusado, conclui investigação | CNN Brasil

Biden reteve intencionalmente documentos confidenciais, mas não será acusado, conclui investigação | CNN Brasil

por tiagotortella
0 Comente
biden-reteve-intencionalmente-documentos-confidenciais,-mas-nao-sera-acusado,-conclui-investigacao-|-cnn-brasil

O procurador especial Robert Hur divulgou um relatório nesta quinta-feira (8) que concluiu que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, reteve e divulgou intencionalmente informações militares e de segurança nacional confidenciais.

Entretanto, ele não enfrentará acusações, após uma investigação de um ano sobre o tratamento dos documentos secretos.

Uma razão pela qual Hur optou por não apresentar queixa, de acordo com o relatório, foi porque seria difícil processar Biden, que poderia aparecer perante um júri como um “homem idoso simpático, bem-intencionado e com memória fraca”.

“Concluímos que nenhuma acusação criminal é justificada neste assunto. Chegaríamos à mesma conclusão mesmo se a política do Departamento de Justiça não excluísse as acusações criminais contra um presidente em exercício”, concluiu.

A investigação do procurador especial descobriu que Biden sabia dos documentos confidenciais em sua casa já em 2017, quando não era mais vice-presidente, e que compartilhou algumas das informações com o escritor fantasma de um livro de suas “memórias” publicado naquele ano.

A divulgação pública do relatório de 345 páginas marca a conclusão da investigação de Hur.

“Memória significativamente limitada”

De acordo com o relatório, os investigadores descobriram que a “memória de Joe Biden era significativamente limitada” em entrevistas que conduziram com ele em 2023, bem como em entrevistas com seu escritor fantasma.

Por causa disso, escreveu o procurador especial Robert Hur no relatório, os investigadores concluíram que “seria difícil convencer um júri de que deveriam condená-lo – então um ex-vice-presidente com quase oitenta anos – por um crime grave que requer um estado mental de obstinação.”

“O senhor Biden provavelmente se apresentaria a um júri, como fez durante nossa entrevista, como um homem idoso, simpático, bem-intencionado e com memória fraca”, escreveram, acrescentando que o democrata “é alguém por quem muitos jurados vão querer identificar dúvidas razoáveis”.

Hur também escreveu que o governo não acreditava que pudesse provar que Biden “pretendia fazer algo que a lei proíbe”.

Biden foi “enfático”, segundo o relatório, ao afirmar que seus cadernos manuscritos contendo informações confidenciais eram sua propriedade, dizendo em seu depoimento ao gabinete do procurador especial que “todos os presidentes antes de mim fizeram exatamente a mesma coisa”.

Investigadores encontraram materiais na garagem de Biden

Ainda segundo o relatório, “agentes do FBI recuperaram esses materiais da garagem, dos escritórios e do porão da casa do Sr. Biden em Wilmington, Delaware”.

Joe Biden também manteve “cadernos confidenciais em espaços inseguros e não autorizados nas casas da Virgínia e Delaware” depois de deixar a vice-Presidência.

Os materiais incluíam “documentos confidenciais marcados sobre política militar e externa no Afeganistão e cadernos contendo entradas manuscritas do Sr. Biden sobre questões de segurança nacional e política externa que implicam fontes e métodos de inteligência sensíveis”.

Diferenças entre investigações contra Trump e Biden

O procurador especial Robert Hur observou em seu relatório que havia distinções entre os casos de manipulação de documentos confidenciais de Donald Trump e Joe Biden.

Entre eles está o fato de os Arquivos Nacionais terem repetidamente tentado, sem sucesso, recuperar documentos na posse de Trump. A certa altura, o FBI, que é a agência nacional de investigações dos EUA, obteve um mandado de busca para revistar uma propriedade do empresário na Flórida.

Os advogados de Biden, por outro lado, notificaram o Arquivo Nacional dos materiais encontrados em sua posse.

Os documentos foram descobertos em 2 de novembro, apenas seis dias antes das eleições de meio de mandato, mas os advogados do presidente só reconheceram publicamente a descoberta dos arquivos em 7 de novembro, quando surgiram notícias sobre a descoberta.

“Mais notavelmente, depois de ter múltiplas chances de devolver documentos confidenciais e evitar processos, o Sr. Trump supostamente fez o oposto”, escreveu Hur.

“De acordo com a acusação, ele não só se recusou a devolver os documentos durante muitos meses, mas também obstruiu a justiça ao recrutar outros para destruir provas e depois mentir sobre isso”, continuou.

“Em contraste, o Sr. Biden entregou documentos confidenciais ao Arquivo Nacional e ao Departamento de Justiça, consentiu na busca em vários locais, incluindo suas casas, sentou-se para um depoimento voluntário e de outras maneiras cooperou com a investigação”, concluiu o procurador especial.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.