Casa Mundo Artista holandês é desclassificado da Eurovision após denúncia de produtora | CNN Brasil

Artista holandês é desclassificado da Eurovision após denúncia de produtora | CNN Brasil

por marianacatacci
14 visualizações
artista-holandes-e-desclassificado-da-eurovision-apos-denuncia-de-produtora-|-cnn-brasil

O Festival de Música Eurovision teve mais uma turbulência neste sábado (11), quando os organizadores desqualificaram o participante holandês horas antes da grande final por um incidente nos bastidores envolvendo uma integrante da equipe de produção.

A União Europeia de Radiodifusão (EBU), que organiza o evento anual, que acontece este ano em Malmo, na Suécia, disse que a polícia estava investigando o incidente envolvendo o cantor Joost Klein e que não seria apropriado que ele participasse.

“A polícia sueca investigou uma reclamação feita por uma mulher da equipe de produção sobre um incidente após sua apresentação na semifinal de quinta-feira (9) à noite. Enquanto o processo legal segue seu curso, não seria apropriado que ele continuasse no concurso”, afirmou a EBU.

Uma porta-voz da Autoridade Policial Sueca disse num comunicado enviado à CNN: “Um homem é suspeito de ameaças ilegais. O crime teria sido cometido na Arena Malmo na noite de quinta-feira.”

“O homem [foi] interrogado pela polícia, mas não detido”, acrescentou ela.

A CNN entrou em contato com a equipe de Klein para comentar.

A emissora pública holandesa AVROTROS criticou a EBU por expulsar Klein e afirmou em comunicado que “considera a desqualificação desproporcional e está chocada com a decisão”.

O incidente segue a polêmica sobre a participação de Israel na competição. Manifestantes pró-Palestina têm se manifestado diariamente em Malmo nos dias que antecedem a competição. A EBU disse que a desqualificação de Klein não envolveu nenhum outro artista ou membro da delegação de outro país.

Tensões aumentam em Malmo antes da final

O suposto incidente envolvendo Klein aconteceu na noite de quinta-feira, após a segunda semifinal, disse a EBU.

Rumores então começaram a circular entre as delegações e a imprensa em Malmo na tarde de sexta-feira (10), quando Klein não se apresentou conforme planejado em um ensaio geral. Ele estava programado para ensaiar logo antes da entrada israelense, Eden Golan, o que levou a especulações não confirmadas de que os eventos estavam relacionados.

A polêmica em torno da inscrição de Golan semeou divisão no concurso, cujo lema é “unidos pela música”. A EBU instruiu Israel a alterar a letra da sua canção, que foi originalmente chamada de “Chuva de Outubro”, considerando-a muito política.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, felicitou Golan numa mensagem de vídeo pelo seu desempenho em frente ao que chamou de “uma onda feia de antissemitismo”, ao mesmo tempo que “representa o Estado de Israel com grande honra”.

Mas a disputa tem enfrentado pedidos contínuos de alguns fãs e ativistas pró-palestinos para excluir completamente Israel, citando a proibição da Rússia em 2022, após a invasão em grande escala da Ucrânia.

Espera-se que milhares de manifestantes se reúnam na Arena Malmo para a final neste sábado à noite, com a EBU enfrentando a perspectiva muito real de que Israel possa vencer a competição.

A polícia sueca enviou agentes adicionais para a cidade na sequência das tensões. A polícia armada pode ser vista em muitos cruzamentos e há um círculo de segurança extra em torno do hotel onde a delegação israelense está hospedada. A equipe de segurança tem patrulhado o interior do local onde acontecem as festas oficiais pós-show.

Israel garantiu um lugar na final na quinta-feira, após a qual a emissora italiana, RAI, revelou acidentalmente o que parecia ser o resultado da votação do público. Os resultados mostraram que Israel obteve 39% dos votos do público na Itália – o que representa uma vitória esmagadora. A RAI afirmou que os resultados foram publicados por engano e posteriormente afirmou que os dados estavam “incompletos”. A EBU afirmou ter dito à RAI que a medida “violava as regras”.

As casas de apostas têm Israel como segundo favorito, atrás da Croácia, para vencer a competição. Nemo da Suíça, Slimane da França, Bambie Thug da Irlanda e Alyona Alyona e Jerry Heil da Ucrânia também são considerados os principais candidatos.

A competição – que se agarra desesperadamente à sua etiqueta apolítica – tornou-se num dos maiores eventos culturais atingidos pelas repercussões da guerra de Israel em Gaza.

O ataque militar de Israel matou mais de 34 mil palestinos em Gaza desde que foi lançado em resposta aos ataques do Hamas a Israel, em 7 de outubro, nos quais pelo menos 1.200 pessoas foram mortas e 250 feitas reféns.

Muitos participantes enfrentaram pedido para expressarem as suas opiniões sobre o conflito ou sobre a participação de Israel. Golan foi vaiada por alguns setores da multidão durante sua apresentação não televisionada ao júri na noite de quarta-feira.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®