Home Mundo Análise: comentários incendiários de Trump sobre Otan causam arrepios na Europa | CNN Brasil

Análise: comentários incendiários de Trump sobre Otan causam arrepios na Europa | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
analise:-comentarios-incendiarios-de-trump-sobre-otan-causam-arrepios-na-europa-|-cnn-brasil

Os comentários de Donald Trump normalmente reverberam em uma câmara de eco criada por ele mesmo, uma espécie de vácuo que muitas vezes os retira de qualquer consequência a nível global. Pode-se pensar que é um ruído branco – uma retórica concebida para projetar força e a rejeição do status quo, em vez de uma expressão de qualquer política real. É apenas Trump sendo Trump.

Mas quando o ex-presidente sugeriu, no sábado (10), que deixaria a Rússia fazer “o que quiser” a qualquer membro da Otan que não cumprisse as diretrizes de despesas, o impacto foi agudo.

Ele lembrou o que disse ter sido uma conversa com um “grande” aliado da Otan – não estava claro a quem ele se referia ou quando a conversa ocorreu – que, segundo ele disse, se recusou a gastar o equivalente recomendado de 2% do seu PIB em defesa, mas mesmo assim queria garantias dos EUA de que estaria protegido se a Rússia atacasse.

Trump disse que não daria tal garantia, pois o aliado era “delinquente” e o presidente russo, Vladimir Putin, deveria se sentir livre para fazer o que quiser.

A opinião de Trump sobre a Otan é conhecida há anos – ele pensa que a aliança é o epítome de tudo o que ele despreza dos aliados dos Estados Unidos, aproveitando da força dos EUA sem dar nada em troca: um clube de fidelidade de loja em que se ganha pontos sem gastos proporcionais.

Tal como acontece com grande parte da política externa, o líder republicano compreendeu radicalmente mal a natureza e o propósito dessa relação. A Otan não é uma aliança baseada em dívidas: é o maior bloco militar da história, formado para enfrentar a ameaça soviética, baseado na defesa coletiva de que um ataque a um é um ataque a todos – um princípio consagrado no Artigo 5 do tratado fundador da Otan.

Esse é um objetivo que se adequa profundamente aos EUA: a Casa Branca invocou o Artigo 5 após o 11 de setembro. E desde a criação da Otan, o poder dos EUA tem sido frequentemente apresentado globalmente como a expressão de um consenso forte de dezenas de países.

A Otan ajuda a reforçar a posição decrescente dos EUA como única hiperpotência. Retire esta vasta aliança e o seu poder diplomático e econômico e os EUA parecerão bastante solitários no cenário mundial.

Em resumo, é quase certo que os EUA gastarão muito mais do que qualquer outro país nas suas forças armadas, independentemente dos seus aliados. A Otan dá ao país uma base global de legitimidade, apoio ao dólar e à hegemonia pós-soviética em que prospera.

Ex-presidente Donald Trump fala sobre a Otan durante um comício na Coastal Carolina University em 10 de fevereiro de 2024 em Conway, Carolina do Sul / Win McNamee/Getty Images

Considerando o mal-entendido o que ocorreu no sábado, os comentários de Trump surgem em um momento devastadoramente mau para a Europa. A parte desonesta do Partido Republicano que o apoia está persistentemente tentando inviabilizar a ajuda vital à Ucrânia.

Se os desejados US$ 60 bilhões não chegarem, ou forem adiados por muito mais tempo, terão um impacto irrevogavelmente negativo nas defesas práticas da Ucrânia nas linhas da frente, na coesão política em Kiev e no ânimo nacional.

O dano já está sendo causado. E é Putin quem se beneficia.

Ainda é um mistério a razão pela qual Trump se sente tão inexplicavelmente ligado a Putin, e à sua bajulação, ou mesmo ao sucesso. É um enigma que só poderemos compreender com o passar do tempo. Será uma atração distorcida por um “bandido”, uma paixão pela cultura profundamente patriarcal da Rússia, ou algo mais obscuramente ligado à própria história pessoal de Trump?

Os comentários incendiários de sábado alimentam uma narrativa de que os EUA estão sendo explorados, subestimados e, como resultado, em declínio global. O Partido Republicano de Trump se alimenta disso, talvez sem saber que se trata de um ciclo autorrealizável de queixas. Quanto mais os EUA lamentam os seus aliados e a sua miserável negligência para com a Otan, e se retiram dela, menos poderosos são.

A entrevista insuportavelmente mansa de Putin, dada ao ex-apresentador da Fox News, Tucker Carlson, fomentou a projeção de fraqueza: foi um ouvido fácil e aberto aos frágeis argumentos de perseguição do chefe do Kremlin e à cômica justificativa histórica para invadir um vizinho mais fraco e não ameaçador.

A plataforma sinalizou que partes dos EUA querem ouvir os disparates de Putin e permitiu-lhes fazê-lo. Anunciou a provável mudança radical nas relações com a Rússia de um segundo mandato de Trump.

O então presidente dos EUA, Donald Trump, e Putin se reuniram no encontro do G20, em Osaka, no Japão, em junho de 2019 / Getty Images

Embora o impacto no mundo real dos comentários de Trump ainda não esteja claro, eles poderão ser catastróficos. A segurança europeia depende do sucesso da Ucrânia, ou pelo menos da sua capacidade de conter e enfraquecer os ataques contínuos da Rússia.

Se Moscou prevalecer, poderá levar anos; entretanto, Putin conseguiu agora reorientar a sua economia e a sua sociedade para tempos de guerra, e pode considerar que é um anátema para o seu controle do poder parar os tambores do conflito. Os avanços russos em Zaporizhzhia poderiam levar ao movimento para Kherson, depois para Mykolaiv e Odessa, colocando Putin à porta da Romênia, que integra a Otan.

Mas não esperem que Moscou lance uma invasão total da maior aliança militar da história. A Rússia não bombardeará repentinamente a França. Putin prefere instigar, provocar e testar as linhas limítrofes ou a prontidão dos seus oponentes.

Estará a Otan disposta a entrar em guerra com Moscou por causa do estado báltico da Estônia, partes que falam russo? Ou a pequena ilha norueguesa de Svalbard, parcialmente habitada por russos? Será que uma pequena provocação russa exporia lentamente a desunião da Otan e a sua relutância em mobilizar as suas populações para o conflito da mesma forma que a Rússia fez?

A Europa viveu durante quase uma década com a possibilidade de enfrentar sozinha a ameaça russa. O primeiro mandato de Trump soou como uma forte buzina nesse sentido. Mas agora a maior guerra terrestre está atingindo a Europa desde a década de 1940, tornando o perigo mais agudo.

O Reino Unido mudou recentemente a sua retórica mais ampla nas últimas semanas para sugerir que o Ocidente já não se encontra em um mundo pós-guerra, mas sim em um mundo pré-guerra. Os militares britânicos seniores até ponderaram se o recrutamento é mesmo uma possibilidade. A Finlândia e a Suécia procuraram urgentemente aderir à Otan.

Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, durante visita ao prédio do Congresso dos EUA em Washington / 30/01/2024 REUTERS/Nathan Howard

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha respondeu aos comentários de Trump com “Um por todos e todos por um”. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, criticou as “declarações imprudentes” de Trump.

Mas a defesa europeia raramente prosperou sem o poder do apoio dos EUA. Moscou está, depois da invasão falhada de um vizinho despreparado, ainda comparativamente fraca. Não é um gigante capaz de assolar a Europa ocidental. Está longe de ser o exército potente que se considerava em 2021.

No entanto, não se engane: a falta de uma garantia de apoio americano mina enormemente a eficácia da Otan. Põe em causa a coesão da aliança e, portanto, a sua existência.

Trump sabe disso. Ele não está simplesmente dizendo que os EUA não ajudarão os aliados da Otan que não pagaram. Ele diz que encorajaria a Rússia a atacar, invadir e infligir os horrores de Mariupol aos aliados dos EUA. Pode ser barulho, pode ter como objetivo agitar os fiéis diante do seu pódio. Mas foi ouvido em voz alta, especialmente nas capitais europeias e em Moscou.

Parte do apelo de Trump aos seus apoiadores é a sua falta de equilíbrio presidencial. Mas depois da invasão da Ucrânia há dois anos, isso já não é um jogo de postura. É um momento que esperamos que os livros de história não tenham que olhar para trás e analisar como tendo tido graves consequências.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.