Home Mundo Aliados de Biden não concordam sobre como combater questões de idade e memória | CNN Brasil

Aliados de Biden não concordam sobre como combater questões de idade e memória | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
aliados-de-biden-nao-concordam-sobre-como-combater-questoes-de-idade-e-memoria-|-cnn-brasil

Minutos depois que o relatório do conselho especial chegou na tarde de quinta-feira (8), os democratas da Câmara se levantaram e aplaudiram o presidente Joe Biden enquanto ele usava seu retiro anual como a última chance de defender vigorosamente o porquê ele merece mais quatro anos no cargo.

No momento em que eles se sentaram, enquanto o presidente voltava ao palco, minutos depois, murmúrios ecoavam pela sala, de acordo com várias fontes que falaram posteriormente à CNN.

Quão prejudiciais serão todas as questões sobre idade e capacidade mental dele? Alguém tem um plano para fazer com que mais americanos vejam a nitidez e a lucidez dos bastidores que eles sabem estar longe da imagem pública?

Seja brutalmente honesto ou – como acusam os assessores de Biden – seja um golpe partidário de um nomeado de Donald Trump com o objetivo de prejudicar um presidente que não conseguiu encontrar motivos para processar, o relatório do procurador especial visava diretamente o que todos os conselheiros de Biden sabiam que seria a responsabilidade consistente do presidente desde o momento em que ele começou a falar sobre a candidatura à reeleição: Aos 81 anos, ele está claramente envelhecido e, para muitos, parece que não está à altura do cargo.

Um membro democrata da Câmara respondeu ao ser informado das questões sobre idade e memória levantadas no relatório com uma risada mórbida e um aceno de cabeça. Outro começou a perguntar ansiosamente como os outros estavam respondendo, sentindo-se claramente sem saber o que fazer.

Mesmo aqueles que acham que isso se trata de etarismo, padrões duplos para Trump e que as preocupações são exageradas sobre Biden, dizem que estão ficando preocupados com o fato das questões sobre a idade – que têm aparecido em muitos grupos focais democratas há mais de dois anos – continuarem a ficar mais relevantes.

E essas questões são suficientemente relevantes para deixar os principais democratas preocupados de que os eleitores indecisos possam acreditar que mais quatro anos da agenda antidemocrática de extrema-direita que Trump promete seriam melhores do que mais quatro anos de Biden, se ele parecer em declínio.

Dentro da Casa Branca e entre a equipe da campanha de reeleição de Biden, a tensão é constante. Os principais assessores definiram a estratégia de que o presidente não precisa de jogar o jogo do ciclo noticioso de Washington de aparições constantes que correm o risco de erros embaraçosos, enquanto outros se queixam de que isso, infelizmente, reforça a imagem apresentada pelos seus oponentes políticos de que ele mal consegue se orientar ao longo dos seus dias.

Presidente dos EUA, Joe Biden, em entrevista a jornalista ao deixar a Casa Branca / 18/01/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

Biden é constantemente pego parecendo “afetado” e “uma caricatura”, queixou-se um simpático ex-assessor da Ala Oeste, que pediu para não ser identificado para falar sem rodeios sobre a situação.

“Algumas pessoas ao seu redor criam essa bolha estranha porque estão tentando ser protetores, mas o deixam tão ansioso que ele comete erros”, disse o ex-assessor.

A deputada democrata Annie Kuster, que inicialmente estava cética quanto à candidatura de Biden à reeleição em vez de abrir caminho para um candidato mais jovem, mas desde então mudou, disse que ela e três outros membros da delegação do Congresso de New Hampshire deixaram uma reunião no Salão Oval na semana passada conversando entre si sobre o impressionante domínio de Biden sobre os problemas.

“Não, ele está bem”, disse Kuster. “A maioria das pessoas não fica uma hora com ele. Ele é perspicaz. Ele está bem”.

Não se trata apenas de aliados protegendo um presidente em um momento difícil. Dezenas de funcionários, assessores e outros que passaram algum tempo com Biden em particular disseram à CNN nos últimos três anos que o consideram completamente no controle de tudo.

E os assessores da Casa Branca gostavam de salientar, por exemplo, que o ex-presidente da Câmara, Kevin McCarthy – que muitas vezes questionava publicamente a aptidão mental de Biden – também disse aos jornalistas, após as reuniões, que o presidente estava no topo de tudo o que discutiam.

Momentos mais informais planejados

Os debates internos vão além da realização de discursos ou da concessão de entrevistas. Atuais e ex-assessores dizem à CNN que as decisões sobre a abertura dos eventos na Casa Branca à imprensa, a duração da sua programação e outras logísticas são obviamente obscurecidas por considerações sobre a idade do presidente e como isso será transmitido.

Quanto o presidente está dormindo e sua aparência têm sido temas de conversa entre conselheiros, com vários apontando os discursos que ele proferiu no início de janeiro em Valley Forge e na igreja Mother Emanuel em Charleston como exemplos de como finalmente ele conseguiu demonstrar a força e o vigor que desejavam.

Presidente dos EUA, Joe Biden, posa para uma foto em restaurante de Detroit, em Michigan / 01/02/2024 REUTERS/Kevin Lamarque

Os assessores de Biden também sentem que isso não foi suficiente. Em reuniões internas nas últimas semanas, eles se concentraram nos planos para que o presidente fizesse paradas de campanha mais informais, como sua visita a uma loja de chá gelado em Las Vegas na segunda-feira (5), onde ele conversou com o atendente enquanto mostravam como ele deveria colocar o canudo pela tampa plástica do copo.

Isso realça o famoso virtuosismo da política de varejo de Biden e também alimentam conteúdos que a campanha está tentando dispersar online, à medida que tentam avançar em um ambiente mediático fragmentado.

Mais importante ainda, refletem o que os assessores de Biden aprenderam com a experiência: nada combate tanto as questões sobre a competência do presidente como as pessoas que o veem em ação.

“Quero ver o presidente fazer o que ele faz de melhor: estar com as pessoas em suas casas, vê-lo em um nível individual, para que ele se conecte não apenas com os sucessos políticos, mas também com as pessoas”, disse o deputado Gabe Amo, um congressista democrata recém-eleito de Rhode Island que até o verão passado trabalhou para Biden na Casa Branca.

“Penso menos nos detalhes que o presidente lembra e mais nos valores que ele retrata. E é isso que você ganha quando coloca o presidente ao lado do povo”, acrescentou.

É claro que cada momento imprevisto é uma oportunidade de Biden cometer um deslize, como no fim de semana passado, quando confundiu o presidente francês Emmanuel Macron com o falecido presidente francês François Mitterrand.

Ou quando ele voltou ao microfone na noite de quinta-feira, após o contundente relatório do conselho especial, para ter seus comentários cuidadosamente ponderados sobre as negociações sobre a guerra Israel-Hamas distraídos por sua referência a Abdel Fattah el-Sisi como presidente do México, em vez de presidente do Egito.

Estas observações foram rapidamente acrescentadas à sua agenda, refletindo um reconhecimento interno de que ver o presidente em ação era a melhor forma de combater as alegações do procurador especial.

Presidente dos EUA, Joe Biden / 06/02/2024 REUTERS/Evelyn Hockstein

“Qualquer um pode cometer um deslize e dizer ‘Mitterrand’, mas veja todas as coisas que Donald Trump disse”, disse a deputada Dina Titus, uma democrata de Nevada que se juntou a Biden para o chá gelado e outras paradas na semana passada.

“Joe Biden é muito perspicaz, muito respeitado, se mantém firme com os líderes internacionais, negociando com o Senado todo esse pacote de política externa. Se eu sentisse que alguém não era competente, não o quereria no comando. E certamente não penso isso sobre Joe Biden”.

O deputado de Maryland, Jamie Raskin, disse que as falhas de Trump são muito piores, desde dizer que Biden iniciaria a “Segunda Guerra Mundial” se conseguisse um segundo mandato até aparecer em um depoimento em vídeo para confundir uma foto de E. Jean Caroll com uma de sua segunda esposa.

“Joe Biden não anda mais por aí fingindo que tem 30 anos. Ele está concorrendo com base em sua sabedoria, experiência e realizações fantásticas no cargo”, disse Raskin, que disse que sua conclusão da sessão de quinta-feira com os democratas da Câmara na Virgínia foi de um presidente que está “completamente lúcido e relembrando histórias de muitos anos atrás” em total contraste com o que está no relatório.

“Eles chegaram ao ponto em que tudo o que têm contra ele agora é que ele está velho. Dá um tempo”.

Assessores de Biden rejeitam conselhos externos sobre idade

Agentes e consultores democratas deram conselhos: gaste muito mais tempo trabalhando em sua maquiagem e iluminação, dizem aos assessores de Biden, ou finalmente aceite que as explicações sobre a artrite não estão funcionando e comece a fazer com que ele faça mais eventos onde ele começa sentado em vez de ser fotografado arrastando os pés para um pódio.

Outros democratas são mais diretos, reagindo com raiva ao falar sobre o presidente ainda andando de bicicleta depois de sua queda diante das câmeras em 2022 (da qual ele se levantou) ou indo sem camisa na praia no verão passado. Nesse momento existencial para a democracia americana, dizem eles, o presidente está muitas vezes perto de um momento embaraçoso e dispendioso.

Pouco encanta mais o círculo íntimo de Biden do que zombar de estranhos que não achavam que ele venceria as primárias de 2020 ou as eleições gerais. Para eles, essas mesmas pessoas de fora estão agora lançando sugestões sobre o que ele deveria fazer de diferente.

Os especialistas que declaram que novas revelações irão remodelar completamente as eleições, pelo menos até à próxima, também irritam esses mesmos conselheiros. Isso também não mudou com o relatório do advogado especial ou com as suas consequências.

Um assessor de campanha disse à CNN que muitos na sede da campanha de Wilmington, Delaware, sentem que os ataques republicanos ao presidente e à sua idade não são novidade em relação aos que foram lançados contra ele desde que começou a concorrer à presidência em 2019.

Apesar de toda a atenção dada às gafes de Biden na última campanha, “os eleitores não se importaram”, disse Kate Berner, vice-diretora de comunicações naquela candidatura e mais tarde na Casa Branca, que agora é conselheira externa para o esforço de reeleição.

“No final das contas, se você está preocupado com a proibição nacional do aborto ou com a existência da Previdência Social ou com o custo de seus medicamentos prescritos ou com a segurança de seus filhos na escola por causa da violência armada, a idade de Biden pode ser algo em que você pensa, mas Trump está do lado errado de todas essas questões”.

Presidente Joe Biden fala sobre direito ao aborto
Presidente Joe Biden fala sobre direito ao aborto / 18/10/2022 REUTERS/Leah Millis

O vice-secretário de imprensa da Casa Branca, Andrew Bates, acrescentou que quaisquer preocupações sobre a idade de Biden são minadas pelo que os assessores consideram ser mais uma semana de notícias mais relevantes, dessa vez contra os republicanos que recuaram em suas próprias demandas por um projeto bipartidário de fronteira e imigração.

“Biden demonstrou a mesma liderança e manobra experientes que o tornaram o presidente mais eficaz da história moderna, alcançando um importante acordo bipartidário de segurança fronteiriça endossado pela União da Patrulha Fronteiriça”, disse Bates.

Considerando isso como mais uma vitória de Biden, mesmo quando seus oponentes políticos questionam sua competência, os republicanos, disse Bates, “devem ter esquecido que já viram esse filme antes”.

Pelo menos um impacto claro do relatório: um presidente que sempre odiou ser chamado de velho respondeu ao relatório dizendo que um júri o consideraria “um homem idoso e bem-intencionado, com memória fraca”.

“Sou bem-intencionado, sou um homem idoso e sei o que diabos estou fazendo. Eu sou o presidente. Eu coloquei este país de pé novamente”, e acrescentando zombando que ele desafiou a sabedoria convencional para conseguir o mesmo porque “acho que simplesmente esqueci o que estava acontecendo”.

Nos bastidores, antes de sair para ver os democratas da Câmara, Biden mostrou-se mais irritado do que sarcástico com as acusações. A sugestão de que ele não sabia em que ano Beau Biden morreu claramente foi mais profunda para um pai que foi definido por essa dor desde o momento em que o glioblastoma levou seu filho, há quase nove anos.

“Como eu poderia esquecer isso?”, disse Biden, segundo uma das pessoas que o ouviu.

*Com informações de Haley Talbot e Kevin Liptak, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.