Home Mundo Ajuda humanitária enfrenta obstáculos para entrar em Gaza; entenda motivos | CNN Brasil

Ajuda humanitária enfrenta obstáculos para entrar em Gaza; entenda motivos | CNN Brasil

por joaonakamura
0 Comente
ajuda-humanitaria-enfrenta-obstaculos-para-entrar-em-gaza;-entenda-motivos-|-cnn-brasil

Inspeções prolongadas, ajuda humanitária rejeitada e bombardeios israelenses. Estes são alguns dos obstáculos à ajuda humanitária que chega aos 2,2 milhões de palestinos na Faixa de Gaza.

O Subsecretário-Geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários e Ajuda de Emergência, Martin Griffiths, descreveu o processo como “em todos os termos práticos, impossível”.

Gaza foi colocada sob cerco total no dia 9 de outubro, quando o ministro da Defesa, Yoav Gallant, disse que interromperia o fornecimento de eletricidade, alimentos, água e combustível ao enclave.

A medida veio em retaliação aos ataques do Hamas em 7 de outubro, que mataram 1.200 pessoas e acabou com a detenção de 253 reféns.

Desde então, Israel começou a permitir a entrada de alguma ajuda.

Cerca de quatro meses após o início da campanha militar de retaliação, Israel ainda não completou o seu objetivo de destruir o Hamas e a guerra continua, deixando a maior parte da população civil de Gaza à mercê de ajuda que deve ser aprovada por Israel.

Embora a ajuda que chega na Faixa de Gaza tenha sido insuficiente mesmo antes de 7 de outubro, segundo a ONU, a situação humanitária foi agravada pelo conflito, que matou mais de 28.000 pessoas, segundo o Ministério da Saúde gerido pelo Hamas, e deslocou mais de 1,9 milhões de outras pessoas.

Levar qualquer forma de ajuda a Gaza é um processo longo e árduo, dizem os servidores humanitários e a ONU.

Uma média de 95 caminhões com suprimentos por dia entraram em Gaza entre 10 de outubro e 1º de fevereiro, de acordo com o Crescente Vermelho Palestino, abaixo dos 500 caminhões comerciais e de ajuda no dia anterior à guerra.

Cerca de 2 milhões de habitantes de Gaza dependem atualmente da ajuda da ONU.

“A operação humanitária e a entrega de caminhões continuam a ser complicadas e desnecessariamente complexas”, disse Juliette Touma, diretora de comunicações da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA, na sigla em inglês), à CNN.

É previsto que as operações de ajuda sejam ainda mais dificultadas depois que os Estados Unidos e outros doadores importantes suspenderam o financiamento da UNRWA, que é a principal agência responsável pela distribuição de ajuda em Gaza.

Os doadores retiraram o seu financiamento devido às alegações de Israel de que alguns dos seus funcionários estariam envolvidos nos ataques do Hamas.

A UNRWA alertou que poderá ser forçada a interromper as suas operações até ao final do mês devido à falta de fundos.

Na quinta-feira (8), o comissário-geral do órgão, Philippe Lazzarini, disse que a agência não consegue entregar alimentos em Gaza desde 23 de janeiro, acrescentando que, desde o início do ano, “metade dos pedidos de missão de ajuda da ONU ao norte foram negados”.

“A ONU identificou bolsões profundos de fome e fome no norte de Gaza, onde se acredita que as pessoas estejam à beira da fome”, disse Lazzarini em post na rede social X.

Após um pedido de comentário da CNN, o Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT, na sigla em inglês) de Israel disse que o país opera de acordo com o direito internacional e “não está impedindo nem bloqueando a entrada de ajuda humanitária, mas sim facilitando a transferência da ajuda para as organizações internacionais, de acordo com as condições operacionais no campo”.

Israel também foi acusado de obstruir deliberadamente a ajuda.

O Egito, que faz fronteira com Gaza, acusou a política de ser “sistemática e destinada a pressionar os palestinos a deixar Gaza sob bombardeios e cercos contínuos”, disse um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio em novembro.

Israel afirma que está trabalhando para responder às necessidades no território em Gaza, dizendo que “está em guerra com o Hamas e não com o povo de Gaza”.

Em janeiro, Israel disse ao Tribunal Internacional de Justiça que “não há limite para a quantidade de alimentos, água, abrigo ou suprimentos médicos que podem ser trazidos para Gaza”.

Veja por que ajuda demora para chegar em Gaza

Pontos de entrada limitados

Antes do início da guerra, Israel restringia todo o acesso de e para Gaza por mar e ar e tinha as travessias terrestres sob rigoroso controle.

Há duas passagens funcionais entre o enclave e Israel: Erez, que era para circulação de pessoas; e Kerem Shalom, para mercadorias.

Gaza também tem uma passagem com o Egito, em Rafah, que é gerida pelas autoridades egípcias.

Embora não tenha controle direto sobre esta travessia, Israel monitoriza todas as atividades no sul de Gaza. O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shoukry, disse anteriormente à CNN que a passagem de Rafah foi repetidamente bombardeada, causando interrupções na ajuda.

O movimento através das três travessias já estava fortemente restringido antes da guerra, quando Israel impôs um bloqueio ao território com o Egito há 17 anos

Após o início da guerra atual, Erez e Kerem Shalom ficaram fechados por várias semanas. Em 21 de outubro, Rafah começou a permitir a chegada de ajuda.

Em meados de dezembro, Israel começou a realizar verificações de segurança da ajuda à Gaza nas suas próprias fronteiras, antes de esta ser enviada para Rafah.

À época, o governo afirmou que a medida duplicaria o volume de ajuda entregue através de Rafah, mas os agentes humanitários afirmaram que os pontos de inspeção adicionais eram insuficientes, segundo a ONU.

O Egito criticou as medidas como irracionais, dizendo que dificultam o fluxo de ajuda. Após pressão dos EUA, Israel começou a permitir a passagem de caminhões de ajuda através de Kerem Shalom no final de dezembro.

A entrega de ajuda através do Egito também é dificultada pelo fato de a passagem de Rafah ser idealizada para pessoas e não para mercadorias, dificultando a passagem de grandes comboios.

Longas inspeções e itens rejeitados

A guerra levou Israel a realizar verificações mais rigorosas da ajuda, na medida em que procura impedir a entrada do que chama de “equipamento de dupla utilização”, produtos que afirma serem “destinados ao uso civil, mas suscetíveis de servir necessidades militares para o fortalecimento do Hamas”.

Os caminhões que transportam ajuda devem passar por três níveis de inspeção antes de poderem entrar no enclave, disse Griffiths, o subsecretário-geral da ONU.

As longas filas para inspeção causaram gargalos na passagem de Rafah, disse o Programa Alimentar Mundial (WFP, na sigla em inglês) da ONU no mês passado, acrescentando que entre os itens considerados de “dupla utilização” por Israel estão geradores de energia, muletas, kits hospitalares de campanha, tanques de água, caixas de madeira com brinquedos infantis e, “talvez o mais deprimente, 600 tanques de oxigênio”.

A lista de itens rejeitados só está crescendo, disse Griffiths.

Manifestantes israelenses

Manifestantes de Israel bloquearam mais de uma vez caminhões que transportavam ajuda humanitária para Gaza através de passagens israelenses.

A população de Israel exigia que a ajuda só fosse entregue em troca da libertação dos reféns. Os manifestantes fazem parte do movimento “Tsav 9”, um agrupamento de famílias de reféns, soldados mortos, reservistas desmobilizados e civis israelenses deslocados.

Israel diz que 132 reféns ainda são mantidos em cativeiro em Gaza.

Alguns dos protestos causaram interrupções na ajuda que duraram dias, disse a UNRWA.

Após os protestos, Israel declarou Kerem Shalom e a passagem de Nitzana com o Egito como zonas militares, um movimento que levou a algumas prisões, segundo a mídia israelense.

As perturbações foram renovadas esta semana, quando centenas de manifestantes israelenses retornaram ao Kerem Shalom na terça-feira (6).

Risco de bombardeio

Assim que a ajuda entra em Gaza, os bombardeios israelenses, os danos nas estradas causados ​​pelos ataques, os cortes de comunicações e a deslocação em massa impedem a distribuição dentro do enclave.

“Torna-se muito difícil fazer chamadas telefônicas para coordenar e organizar a entrega de assistência humanitária”, disse Touma, porta-voz da UNRWA.

No rescaldo da guerra, Israel cortou a eletricidade em Gaza e os prestadores de serviços afirmaram que os ataques aéreos destruíram infraestruturas vitais da rede de comunicações.

Desde então, o território sofreu com apagões de serviços de internet e comunicação, deixando os palestinos impossibilitados de se comunicar entre si ou com o mundo exterior.

Os agentes humanitários não podem circular com segurança através da faixa. Os caminhões da ONU que transportam ajuda estão sob a linha de fogo israelense, segundo a UNRWA.

Em 5 de fevereiro, um caminhão da UNRWA que esperava para levar ajuda para o norte de Gaza foi atingido por tiros da marinha israelense, informou a agência, acrescentando que ninguém ficou ferido. As Forças de Defesa de Israel (FDI) disseram à CNN que estão investigando o incidente.

“É extremamente difícil prestar assistência humanitária sob ataque”, disse Touma na segunda-feira (5). “Tememos pelas vidas [dos trabalhadores] porque nenhum lugar é seguro em Gaza.”

Nos últimos dias, Israel pressionou ainda mais a sua ofensiva militar no centro, no sul e em bairros do norte de Gaza – onde as agências da ONU têm lutado para chegar aos civis deslocados que enfrentam fome, desidratação e doenças mortais.

Na sexta-feira, o WFP disse que não conseguiu chegar ao norte da Cidade de Gaza pela terceira vez numa semana, à medida que se aproxima uma fome em grande escala.

Touma diz que as autoridades israelenses devem aprovar os comboios humanitários que aguardam para entrar no norte, no posto de controlo de Wadi Gaza, que separa o norte e o sul da faixa. Além disso, disse ela, há cerca de 300 mil pessoas “vivendo em condições desesperadoras”.

Quando a ajuda chega aos abrigos, disse Touma à CNN, os agentes às vezes não conseguem regular a distribuição devido à superlotação.

“Então temos necessidades esmagadoras no terreno que estão muito além da capacidade das agências humanitárias porque não está chegando muita ajuda”, disse Touma, acrescentando que os habitantes de Gaza estão “absolutamente cansados, fatigados e desesperados”.

*Com informações de Sana Noor Haq, da CNN Internacional

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Estamos em construção…

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

JM – Jornal de Minas© Todos direitos reservados.