Casa Mundo Água do oceano avança abaixo da “geleira do Juízo Final” | CNN Brasil

Água do oceano avança abaixo da “geleira do Juízo Final” | CNN Brasil

por karolineporto
9 visualizações
agua-do-oceano-avanca-abaixo-da-“geleira-do-juizo-final”-|-cnn-brasil

A água do oceano está avançando quilômetros embaixo da “geleira do Juízo Final” da Antártida, tornando-a mais vulnerável ao degelo do que se pensava anteriormente, de acordo com uma nova pesquisa que utilizou dados de radar do espaço para realizar um raio-X da geleira gigante.

À medida que a água salgada e relativamente quente do oceano encontra o gelo, está causando um “derretimento vigoroso” por baixo do glaciar e pode significar que as projeções globais de aumento do nível do mar estão sendo subestimadas, de acordo com o estudo publicado segunda-feira (20) no Proceedings of the National Academy of Sciences.

O glaciar Thwaites, na Antártida ocidental – apelidado de “geleira do Juízo Final” porque o seu colapso pode causar um aumento catastrófico do nível do mar – é o glaciar mais largo do mundo e tem aproximadamente o tamanho da Flórida. É também o glaciar mais vulnerável e instável da Antártica, em grande parte porque a terra onde se situa se inclina para baixo, permitindo que as águas oceânicas corroam o seu gelo.

O glaciar, que já contribui com 4% do aumento global do nível do mar, contém gelo suficiente para elevar o nível do mar em mais de 60 centímetros. Mas como ele também funciona como uma barragem natural para o gelo circundante na Antártida ocidental, os cientistas estimam que o seu colapso total poderá levar a um aumento do nível do mar de cerca de 3 metros – uma catástrofe para as comunidades costeiras do mundo.

Muitos estudos apontaram para as imensas vulnerabilidades do glaciar Thwaites. O aquecimento global, impulsionado pela queima de combustíveis fósseis pelos seres humanos, deixou-o pendurado “pelas unhas”, de acordo com um estudo de 2022.

Esta última pesquisa acrescenta um fator novo e alarmante às projeções do seu destino.

Uma equipe de glaciologistas – liderada por cientistas da Universidade da Califórnia, Irvine – usou dados de radar de satélite de alta resolução, coletados entre março e junho do ano passado, para criar um raio-X da geleira.

Isso permitiu aos cientistas construir uma imagem das mudanças na “linha de aterramento” do Thwaites, o ponto em que o glaciar sobe do fundo do mar e se torna uma plataforma de gelo flutuante. As linhas de aterramento são vitais para a estabilidade dos mantos de gelo e um ponto-chave de vulnerabilidade para o Thwaites, mas têm sido difíceis de estudar.

“No passado, tínhamos apenas dados esporádicos para analisar isso”, disse Eric Rignot, professor de ciência do sistema terrestre na Universidade da Califórnia em Irvine e coautor do estudo. “Nesse novo conjunto de dados, diário e ao longo de vários meses, temos observações sólidas do que está acontecendo”.

Eles observaram a água do mar correndo sob a geleira ao longo de muitos quilômetros e depois saindo novamente, seguindo o ritmo diário das marés. Quando a água entra, é o suficiente para “elevar” a superfície da geleira em centímetros, disse Rignot à CNN.

Uma imagem do movimento das marés no Glaciar Thwaites, na Antártica ocidental, registado pela missão de satélite comercial ICEYE da Finlândia, com base em imagens adquiridas em 11, 12 e 13 de maio de 2023 / Eric Rignot/UC Irvine

Ele sugeriu que o termo “zona de aterramento” pode ser mais adequado do que linha de aterramento, já que pode se mover quase 6,4 quilômetros em um ciclo de maré de 12 horas, de acordo com a pesquisa.

A velocidade da água do mar, que percorre distâncias consideráveis em um curto período de tempo, aumenta o derretimento das geleiras porque, assim que o gelo derrete, a água doce é eliminada e substituída por água do mar mais quente, disse Rignot.

“Este processo de intrusão generalizada e enorme de água do mar aumentará as projeções de elevação do nível do mar na Antártida”, acrescentou.

Ted Scambos, glaciologista da Universidade do Colorado em Boulder, que não esteve envolvido no estudo, chamou a pesquisa de “fascinante e importante”.

“Essa descoberta fornece um processo que, ainda, não foi levado em consideração nos modelos”, disse ele à CNN. E embora esses resultados se apliquem apenas a certas áreas do glaciar, disse ele, “isso poderia acelerar o ritmo da perda de gelo nas nossas previsões”.

Uma incerteza a ser desvendada é se o fluxo da água do mar sob o Thwaites é um fenômeno novo ou se é significativo, mas desconhecido há muito tempo, disse James Smith, geólogo marinho do British Antarctic Survey, que não esteve envolvido no estudo.

** Imagem deve ser usada apenas nesta matéria específica **
Geleira Thwaites / Alexandra Mazur/University of Gothenburg

“De qualquer forma, é claramente um processo importante que precisa ser incorporado aos modelos de mantos de gelo”, disse ele à CNN.

Noel Gourmelen, professor de observação da Terra na Universidade de Edimburgo, disse que o uso de dados de radar para esse estudo foi interessante. “Ironicamente, é indo para o espaço, utilizando as nossas crescentes capacidades de satélite, que aprendemos muito mais sobre esse ambiente”, disse ele à CNN.

Ainda há muitas incógnitas sobre o que as descobertas do estudo significam para o futuro do Thwaites, disse Gourmelen, que não esteve envolvido na pesquisa. Também não está claro até que ponto esse processo é generalizado em toda a Antártida, disse ele à CNN, “embora seja altamente provável que isso também esteja acontecendo em outros lugares”.

Uma mudança de regime

A Antártida, um continente isolado e complexo, parece estar cada vez mais vulnerável à crise climática.

Em um estudo separado, também publicado na segunda-feira, pesquisadores do British Antarctic Survey (BAS) analisaram as razões para os baixos níveis recorde de gelo marinho em torno da Antártida no ano passado.

Analisando dados de satélite e utilizando modelos climáticos, descobriram que este valor recorde teria sido “extremamente improvável de acontecer sem a influência das mudanças climáticas”.

Gelo marinho ao redor de Rothera Point, na Ilha Adelaide, a oeste da Península Antártica / Steve Gibbs/BAS

O derretimento do gelo marinho não afeta diretamente o aumento do nível do mar porque já está flutuando, mas deixa as camadas de gelo costeiras e as geleiras expostas às ondas e às águas quentes do oceano, tornando-as muito mais vulneráveis ao derretimento e à ruptura.

Os pesquisadores também utilizaram modelos climáticos para prever a velocidade potencial de recuperação de uma perda tão extrema de gelo marinho e descobriram que, mesmo depois de duas décadas, nem todo o gelo retornará.

“Os impactos da permanência baixa do gelo marinho da Antártica durante mais de 20 anos seriam profundos, inclusive no clima local e global”, disse Louise Sime, coautora do estudo do BAS, em nota.

As descobertas acrescentam provas ao longo dos últimos anos de que a região enfrenta uma “mudança duradoura de regime”, escreveram os autores.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

CONTATOS

noticias recentes

as mais lidas

Jornal de Minas © Todos direitos reservados à Tv Betim Ltda®